28 de junho de 2013

Histórias

Como será que as pessoas têm imaginação para escrever as inúmeras histórias de amor? Com direito a cartas piegas, gestos românticos e paixões ardentes...
Mas como é possível escrever algo assim, tão íntimo e tão palpável e tocar no âmago de tantas pessoas? Não temos supostamente uma diferente definição de amor? O que é amor para mim, pode não ser amor para outra. E porque será que toda a gente escreve sobre encontrar o amor e não como mantê-lo? Para ambos, será que o amor chega? Ou o sentido de amor é igual para homens e mulheres?

Com tantas variáveis, como é possível elaborar uma história que afecte emocionalmente (e por vezes psicologicamente) inúmeras pessoas? Será uma das hipóteses de todos nós procurarmos o amor, independentemente do que isso seja? Aceitámos então conformados a definição de amor que nos oferecem e bombardeiam. Como, por exemplo, os contos de fadas. Obviamente fantasia e ficção mas, no entanto, transmitimos essas histórias de geração em geração. Os pais contaram a história da Cinderela e os filhos irão contar a mesma história aos seus próprios filhos. Quem diz a Cinderela diz Bela Adormecida, Rapunzel, Branca de Neve, etc. Uma coisa em comum que se repara nessas histórias é que o príncipe, a epítome de homem perfeito, magicamente aparece, salva a donzela em apuros e são "felizes para sempre". Será por causa da tão popular aparição do príncipe encantado, que muita mulher hoje em dia espera que o amor caia do céu?

É difícil. Não há descrição fiel possível... E, no entanto, como é que os escritores conseguem? Talvez como os contos de fadas, essas histórias de amor são apenas um reflexo do que nós queremos que seja o amor: encontrar a nossa alma gémea e sermos "felizes para sempre". Então, no fundo então somos egoístas, queremos é alguém com quem passar o "para sempre" e outra coisa que não nos contam é que não existe "felizes para sempre" porque não há só Verão num ano, há também Invernos que podem ser bem escuros que nos fazem questionar tudo e sofremos mas, o que é certo, é que há momentos bons, um Verão bem quente, ou seja, há de tudo.

Talvez com "felizes para sempre" implique felicidade no equilíbrio... Então o amor é apenas uma miragem de como queremos que seja a nossa vida, um malabarismo entre a escuridão e a luz mas que no final, vejamos apenas luz pois a escuridão apareceu apenas para valorizarmos cada raiar ou luminosidade!

24 de junho de 2013

Discovering: Tunisia


E assim voltamos das nossas ricas férias... agora o pior mesmo é voltar ao trabalho. Ai, mas tem que ser.

Adorei conhecer a Tunísia, cultura lindíssima e as praias... ai ai!

17 de junho de 2013

Parabéns Mais-que-Tudo!


Este post é agendado porque não queria deixar passar este dia... estamos longe de tudo e de todos mas não deixa de ser um dia especial! Já estás mais perto dos 30 e eu é que tenho as brancas todas, com certeza de te aturar este tempo todo, eheheheh.
Espero que gostes dos parabéns cantados na praia! Tudo por ti.

16 de junho de 2013

Ora com licença...


...que vamos trabalhar para o bronze durante uma semanita e o cenário vai ser este! Eheheh.

14 de junho de 2013

Estamos prontos!


Depois da tormenta de 6 dias seguidos a trabalhar finalmente acabar e com esta última aquisição... estamos prontos! 

Siga! LoL.

8 de junho de 2013

A preparar-me psicologicamente!


Vou trabalhar 6 dias seguidos!! Pode não ser nada para vocês mas 10/12 horas seguidas durante 6 dias seguidos é deitar abaixo qualquer um, LoL. 
O que vale é que vou ter uma recompensa no final... Contagem decrescente!

6 de junho de 2013

Nunca se sabe o que se vai encontrar em Londres...



Neste caso em Nothing Hill, num cantinho com a bandeira Portuguesa estavam natas e bolas de berlim! Conseguem imaginar a loucura? LoL.