30 de janeiro de 2017

#bilingualproblems



Como já mencionei, o facto de falar duas línguas fluentemente no teu dia-a-dia (e vou usar o Português e o Inglês como modelo), tem tanto vantagens como desvantagens. Como por exemplo...

Quando não nos lembramos de uma palavra em Inglês, principalmente, quando estamos a falar com alguém que não fala a nossa língua materna, então passamos uns bons 15 minutos num jogo de tentar adivinhar a palavra que queremos, para depois até nos esquecermos de o porquê de precisarmos daquela mesma palavra, LoL. E, claro, quanto mais tempo passa, começamos a esquecermo-nos de palavras e expressões na nossa língua materna, o que nos faz passar como verdadeiros emigras!

Aquele momento fantástico quando estamos a falar com alguém em Português e alguém Inglês se junta e na mesma frase mudamos de uma língua para a outra, sem falhas e sem ninguém se aperceber. Mad skills!

Quando as pessoas que não falam a tua língua materna, tentam dizer uma palavra ou até uma frase. Mesmo com um sotaque horrível ou a arrastar palavras, somos capazes de encher o peito de orgulho e bater palminhas pela tentativa!

Podes dizer asneiras na tua língua materna que ninguém percebe… eheheheh. A não ser claro que a primeira coisa que ensines a pessoas que não sabem Português, seja as asneiras. Aí estão por vossa conta e risco… 

As anedotas ou piadas tendem a perderem-se na tradução. Uma coisa pode ser hilariante em Português e traduzida para outra língua não fazer sentido nenhum, ao ponto de as pessoas ficarem a olhar para nós a julgarem a nossa saúde mental… enquanto estamos ali a rir sozinhos, LoL. 

Temos uma responsabilidade acrescida quando alguém nos pede para lhes ensinar alguma coisa na nossa língua materna… não porque temos que ensinar a pronunciação correcta mas porque podemos ,ou não, ensinar o que eles querem! Portanto, um “estás muito bonita hoje” pode tornar-se num “pareces uma cabra das montanhas”… isso já é convosco se vão dizer a verdadeira tradução ou não, LoL.

Aquele momento fantástico em que para nós Portugueses estamos a ver um filme em inglês e estamos a criticar o gajo que fez as legendas! Ou então quando até estamos a ver televisão e já nem nos apercebemos em que língua é que estamos a ouvir… Até que alguém nos pede para traduzir e temos que nos concentrar para lembrar em que língua é que ouvimos!

As pessoas quando percebem que não és um “local”, que a língua que estás a falar não é a tua língua materna, mencionando que dominas essa segunda língua maravilhosamente bem. Sim, é um motivo de orgulho! Falar duas línguas é difícil, ser fluente em duas é praticamente impossível, certo? Mas nós conseguimos… podemos não fazer muito sentido às vezes pois o nosso cérebro faz um curto-circuito e misturamos as duas línguas quando menos esperamos, mas para todos os efeitos conseguimos, LoL.

Naquele momento em que estamos ou imensamente furiosos ou assustados ou até mesmo apenas excitados e congelamos em termos de linguagem… o nosso cérebro não se consegue expressar de todo em qualquer das duas línguas e portanto não temos a certeza do que está a sair pela nossa boca fora, LoL. 

Há também todo um momento assustador quando começamos a falar a nossa segunda língua diariamente e temos que falar ao telefone… para quem passou por isto sabe bem o stress. Mas como tudo, com prática, se resolve!

Mas em contra-partida, chegamos a um ponto em que mesmo com anos de prática, que já não sabemos nenhuma das duas línguas decentemente, LoL.

E, finalmente, a tristeza quando existem palavras tanto numa língua como na outra que são extremamente difíceis de traduzir ou até nem existe tradução sequer... cada língua tem a sua beleza e nós estamos imensamente divididos!

28 de janeiro de 2017

Phantasmagoria



Este livro do autor Terry Breverton foi-me oferecido por um amigo meu e que bela prenda! É basicamente uma compilação de todos os monstros, mitos e lendas.

Desde a origens dos dragões, vampiros, lobisomens, gremlins, duendes e fadas, o autor explica a origem histórica e até geográfica de cada mito com ilustrações dos mesmos. Parte medieval, parte almanac e parte compendium victoriano, este livro é essencial para os aficionados, como eu, por mitologia.

Todo o tipo de folclore e mitologia tem que ter uma origem... e é extremamente interessante ver como os antigos explicaram coisas que não conseguiam compreender ou de onde veio essa imaginação. E é por isso mesmo que este livro se torna espectacular!

26 de janeiro de 2017

TBC: taking care of breakfast since 2005



Como já tinha mencionado antes, eu adoro comida de pequeno-almoço mas fora isso, acho que uma vinda a Londres não pode ser descurada de uma visita a um The Breakfast Club. Há apenas três na capital e em dois deles muitas das vezes têm uma espera de 30 a 45 minutos por mesa... 

Por isso aqui fica um conselho, se não quiserem esperar por mesa porque têm mais que fazer, podem ir ao restaurante de Canary Wharf pois como fica fora da parte turística, não há sequer tempo de espera!

Quem é amiga, quem é?


P.S. - se por acaso tiverem a infelicidade de terem que esperar uns 5/10 minutinhos têm sempre uma daquelas máquinas antigas de arcade para se entreterem, LoL.

24 de janeiro de 2017

As camisolas do demónio


Hoje vou falar de uma coisa que me irrita solenemente... há poucas coisas que me deixam mal disposta mas isto deixa-me em estado "chamem um padre ou exorcista" de tão chateada que fico, LoL.

As camisolas do demónio. Aquelas camisolas que parecem ter sido feitas pelo Belzebu em pessoa, daquelas camisolas... que deixam pêlo em todo o lado!
Aquilo é casacos, calças, leggings, cachecóis... tudo cheio de pêlo irritante!  Até quando se mete na máquina, ou se mete aquela semente demoníaca a lavar sozinha ou então arriscamo-nos a que tudo fique com pelinhos.

Apetece lavar em água benta ou então fazer uma bela duma queimada... ainda não decidi qual. E vocês o que é que fazem?

22 de janeiro de 2017

Lord knows I can't change


If I leave here tomorrow
Would you still remember me?
For I must be traveling on now
'Cause there's too many places I've got to see.

But if I stayed here with you, girl,
Things just couldn't be the same.
'Cause I'm as free as a bird now,
And this bird you can not change
Lord knows I can't change.

Bye, bye, baby, it's been a sweet love,
Though this feeling I can't change.
But please don't take it so badly,
'Cause Lord knows I'm to blame.

But if I stayed here with you, girl,
Things just couldn't be the same.
'Cause I'm as free as a bird now,
And this bird you'll never change,
Lord knows, I can't change.
Lord, help me, I can't change.

Lord, I can't change.
Won't you fly high, free bird?


Nota: tenho uma grande paixão com os clássicos e esta música de  Lynyrd Skynyrd é precisamente isso... com a adição de um dos melhores solos de guitarra de todo o sempre!

20 de janeiro de 2017

Conversas à mesa: o update, parte 4

Aqui vão mais umas "Conversas à Mesa" partilhadas no facebook do Reino:




O canal Hollywood está com uma maratona de filmes clássicos da Disney... está na hora do Bambi e a conclusão é: 
Disney, a criar vegans desde 1938!



Puto: preciso de papel vegetal para fazer a torta... 
Mãe: olha por acaso não tenho em casa, pede ao Pai para ir comprar. 
Puto: ó Pai vai comprar papel vegetal de culinária se faz favor! 
Eu: mas que outro papel vegetal conheces? 
Puto: o das mortalhas, duh! 
LooooooL

18 de janeiro de 2017

The Grand Tour


Já que estamos numa de carros... Finalmente, o trio maravilha está de volta!
Adorava ver o Top Gear, depois daquela intriga toda e de eles serem despedidos, voltaram agora em força pela Amazon. Estou a adorar! E vocês, já viram a nova série com o trio?

16 de janeiro de 2017

O lado errado da estrada



Venho então contar-vos a experiência mirabolante que é conduzir do outro lado da estrada e do outro lado do carro, LoL.

O mais difícil até nem estar no outro lado da estrada, apesar de que em cruzamentos é preciso estar mesmo com atenção pois a atitude mecânica é de ir para o outro lado mas sim, meter as mudanças. A minha pouca coordenação não está de todo preparada para meter mudanças com a mão esquerda, LoL. Ou seja, o movimento não é de todo natural.

Contudo, a minha "melhor" situação foi quando fui fazer o test-drive do nosso carro, em vez de fazer as rotundas à "inglesa" fiz a rotunda à "portuguesa", LoL. Sim, porque eles fazem as rotundas no sentido dos ponteiros do relógio! Mas correu tudo bem, todos sobrevivemos, LoL. 

14 de janeiro de 2017

Finalmente...


...encontrei-o!

Já há imenso tempo que andava à procura de um casaco com capuz de jeito e, finalmente, encontrei o dito cujo, perdido, na Zara! Lindo que só ele, eheheheh.

12 de janeiro de 2017

O botão



A partir de uma certa altura num outro país (e acho que posso generalizar para qualquer um outro país) o pessoal cria um "botão" especial no cérebro. 
Quando estamos com alguém português, o botão está na língua portuguesa e quando estamos com, neste caso, uma pessoa inglesa, o botão está na língua inglesa... Isto, para vocês, parece bastante estúpido mas após estar já há quase 5 anos no UK, não consigo arranjar melhor forma de explicar as nossas cabecinhas bilingues.

É uma verdadeira ginástica mental, principalmente, quando no trabalho às vezes mudamos de português para inglês a meio de uma frase sem perder o raciocínio. Ou quando acabamos de chegar ao UK, vindos de uma bela temporada de férias em Portugal e a nossa cabeça ainda está em "modo português", a nossa construção de frases ainda está em português, expressões e afins... Então o nosso inglês faz pouco sentido, LoL.

Depois chega a um momento em que o cérebro clica nos botões tão depressa que nem te apercebes de que língua é que estás a falar... Exemplo disso, foi quando, em Londres, fui a um café/restaurante brasileiro e a conversa foi a seguinte:

Empregada: Hello, how can I help?
Eu: Hi! Can I have a "coxinha" with cheese and an orange juice, please?
Empregada: Com certeza, menina. E é para comer aqui ou para levar?
Eu: Para comer aqui, obrigada.
(lá vai ela tratar do pedido)Mais-que-Tudo: Interessante como ela se apercebeu que eras portuguesa porque sabias dizer "coxinha".
Eu: Como é que sabes que ela percebeu que eu era portuguesa?
Mais-que-Tudo: Então... porque ela te respondeu em português...
Eu: A sério? E eu respondi em que língua?
Mais-que-Tudo, já a rir-se: Tás a gozar, certo?  Vocês continuaram a conversa em português.

10 de janeiro de 2017

Shakespeare's abuses and affronts



Encontrei este livro numa das minhas visitas a Camden... é simplesmente fantástico! Contém, então, todos os insultos das peças de Shakespeare e é simplesmente hilariante!



8 de janeiro de 2017

From here I'm weightless


I'm standing in the field
My feet lift off the ground
No one here will see me
No one will hurt me now

I'm brushing off the rain
While climbing through the clouds
Nobody can see me
No one can hurt me now

Goodbye, gravity
Goodbye, enemies
I'm going up to a place where the world is small
Where I can fly above it all
If I don't make it, sing my song
From here I'm weightless
No stars are famous
And the world is small

Still rising towards the dark
Don't care what's down below
'Cause no one can see me
And no one has to know

The atmosphere is lonely 
And beautiful
I don't miss a thing I used to know
I used to know

Goodbye, gravity
Goodbye, enemies
I'm going up to a place where the world is small
Where I can fly above it all
If I don't make it, sing my song
From here I'm weightless
No stars are famous
And the world is small
I feel so tall

If there's nothing to break my fall
It's OK, I've seen it all
And maybe I was always small
But I could fly before I crawled

If I don't make it, sing my song
From here I'm weightless
No stars are famous
And the world is small


Nota: não sou de todo deste género de música mas dei por mim a ouvir o álbum da Idina Menzel e dei por mim a gostar imenso desta música!

6 de janeiro de 2017

O balanço de 2016 e o desafio de 2017


Acho que no balanço do Reading Challenge se consegue notar perfeitamente os altos e baixos de 2016... infelizmente não consegui completar o desafio, ainda me faltavam dez livros, então por isso mesmo o desafio de 2017 será o mesmo que do ano passado: 52 livros.
Vamos a ver se o vou conseguir superar!



4 de janeiro de 2017

Doar um bocadinho de ti...


Como já mencionei aqui no Reino, já há muito tempo, sempre tive uma grande vontade de doar o meu cabelo ao IPO pois para mim sempre achei que o cabelo cortado era um desperdício que para outros poderia valer um grande sorriso, mas infelizmente em Portugal, isso ainda estava longe... Até havia portugueses que enviavam as suas doações para o estrangeiro pois as instituições portuguesas não estavam preparadas para receber este tipo de doações.

Contudo, desta última vez que fui à Bila, informaram-me que o IPO já está a receber doações de cabelo! Então em vez de dar um cortezinho às pontas, dei uma valente de uma carecada para tentar doar o mais possível... Mas que bela maneira de acabar 2016 senão a realizar este meu desejo?


Nota: a primeira foto, sou eu uns dias antes de cortar o cabelo e o Puto (o meu irmão), que quando ele der a sua carecada também o vai doar!

2 de janeiro de 2017

The year of change


Toda a gente diz no início de cada ano que as coisas vão mudar, escrevem as já tão habituais resoluções de final de ano. Desta vez, não vai haver nada disso!

Até porque este ano avizinha-se grandes mudanças... ora bem, começamos pela última aquisição de 2016, que foi o nosso carrito e sim, num outro post contarei as aventuras de conduzir no outro lado da estrada e do carro, LoL.
A progressão nas nossas carreiras está de vento em popa mas, obviamente, para isso acontecer é preciso muito trabalho, por isso 2017 vai ser um ano de muito trabalho mesmo.
Depois a grande aventura...eu e o Mais-que-Tudo começamos o processo de comprar o nosso lar aqui no UK. É um passo que além de nos entusiasmar, também nos assusta um bocado mas pouco a pouco a gente vai conseguir!

Grandes coisas se avizinham para este ano. Stay tuned, eheheheh.