Comigo foi assim... (UK)

A razão por estar a fazer esta página é que eu também tive um certo apoio de bloggers que foram também procurar algo melhor em Enfermagem no Reino Unido (UK). Li muito, fiz perguntas e sempre me responderam pacientemente pois sabem que esta etapa é cheia de dúvidas e ansiedade. Eu quero fazer o mesmo!
Decidi na verdade copiar o nome da página do enfermeiroUK pois é importante frisar, deixar claro, sublinhar e meter a negrito, que o que vou escrever foi o meu percurso, daí não deve ser tomado como fonte segura, nem como modo único de fazer as coisas. Tomem como exemplo e uma ajudinha para saber se, trabalhar no UK, é o que realmente querem.

Assim como nota introdutória, em 2011 (no meu último ano da licenciatura em Enfermagem), tive a oportunidade de fazer uma visita a Inglaterra, passeei, conversei com pessoas e por acaso comecei a ver a vida de um enfermeiro lá. Gostei do que soube e, isto em Fevereiro, comecei a ponderar em emigrar para o UK pois em Portugal o cenário era mais que negro. Em Maio, tive a oportunidade de fazer uma viagem mais extensa (na verdade foi a minha viagem de finalista), onde passeei ainda mais e tive também a oportunidade de me reunir com um enfermeiro que se licenciou na minha ESE que já está a trabalhar em Londres fazia quase 7 anos, estando já na secção de recrutamento. Mediante o que ele me disse e o que ponderei sobre o percurso que teria que percorrer, decidi que iria mesmo trabalhar no UK, então desde que acabei a licenciatura em Julho, a minha única preocupação era tratar de tudo para ir.

Então este foi o meu caminho…

O que eu fiz pode ser resumido em duas etapas distintas para ir para o UK: registo no NMC (Ordem dos Enfermeiros no UK) e o processo de arranjar o dito emprego. No meu caso, tratei do registo no NMC primeiro, no entanto, as etapas não têm que se processar por aquela ordem pois se concorrerem por uma agência, eles ajudam-vos no registo, porém, tomem nota do seguinte, se vocês forem para o UK sem o registo no NMC, correm o risco de trabalharem e ganharem como Assistente Operacional (auxiliar) ou de nem sequer ter emprego lá.

Relativamente à fase do registo no NMC, na minha opinião, como já fiz valer, deveriam colocar como uma prioridade, pois só no final destas etapas é que estarão habilitados para exercerem legalmente Enfermagem neste país, mesmo que concorram por agência. Terão que:

1. Fazer o pedido do Application Pack (AP);
Para fazerem o pedido basta irem aqui para o efectuarem e o receberão em vossa casa por correio (tenho ideia que a partir de 2012 o AP iria ter que se pagar 110£, tenham isso em atenção). Na verdade, não é nenhum bicho-de-sete-cabeças, porém convém preencher com a máxima atenção e cuidado.

2.Efectuar o preenchimento do Application Pack;
Para o preenchimento do AP, não vos vou explicar o que têm que fazer pois o PortugueseNurse (um dos blogs que falei em cima) tem isso explicado ao pormenor, incluindo com fotografias para o pessoal não ter a mínima dúvida. Passem pela descrição dele aqui, aconselho. 

3. Envio do Application Pack juntamente com os documentos necessários;
Depois de preencher o AP, é necessário tratar dos documentos, pois não é a quantidade de documentos que é a verdadeira chatice mas sim as traduções certificadas. Os documentos terão que ser submetidos a tradução por alguém certificado para o efeito, além de terem de ser autenticados por um notário ou advogado. Os documentos necessários são:
  • Certificado de curso (o custo deste documento acho que depende da Universidade, porém na minha custou aproximadamente 15€);
  • Registo criminal (custa aproximadamente 4€);
  • Carta da Ordem dos Enfermeiros a dizer que estamos aptos a trabalhar no estrangeiro (pedem na vossa sede e custa aproximadamente 8€);
  • Certidão Internacional de Nascimento (vem em francês e em inglês, custa aproximadamente 20€);
  • Fotocópia autenticada da Cédula Profissional;
  • Fotocópia autenticada do Cartão de Cidadão;
Nota: terão que traduzir e autenticar apenas o certificado de curso, o registo criminal e a carta da OE (falo mais em baixo sobre os serviços de tradução), enviando sempre o documento original e a respectiva tradução por correio.

4.Pagamento das quotas (com vários modos de pagamento);
Até aceitarem a vossa candidatura, demora em média 2 meses pois vocês só pagam as quotas quando receberem a carta a dizer para as pagarem. Então se tudo correr como previsto irão receber uma carta com um pedido para pagarem a quota anual que é 76£ (aproximadamente 80/85€ dependendo de como estiver a moeda), podendo ser paga em vários modos como vem explicado na carta, incluindo online (o que é muito mais cómodo).
Só para terem uma noção, desde a minha candidatura para a cédula portuguesa até eu efectivamente a receber, demorou 6 meses e nesses meses paguei 2 quotas sem ter a minha rica cédula. Por isso, só nisso já estão a ver a diferença!

Nota: desde que concorri ao NMC, alguns passos e até mesmo o pagamento está diferente, por isso visitem a página Saúde Além Fronteiras que tem tudo actualizadíssimo!

5.Recebimento do PIN number card.
Em pouco mais de 2 semanas, após terem pago as quotas, terão a vossa cédula profissional inglesa (PIN number card)!

Neste processo, como vos falei, é necessário traduzir e autenticar os documentos. Podem fazer da maneira difícil que é pedir a um tradutor certificado para traduzir e depois vocês irem ao notário ou advogado para autenticar. No entanto, felizmente há empresas que tratam de tudo, ou seja, da tradução e da certificação.
Falo-vos da minha experiência com a Multilingues (empresa aconselhada pela Diáspora dosEnfermeiros), que foram mais que profissionais, foram muito simpáticos. Podem pedir um orçamento de tudo o que vocês quiserem, em que língua quiserem, via e-mail sem compromisso e nesse orçamento vem tudo descriminado (quanto custa a tradução de cada documento e a respectiva autenticação). Se gostarem do orçamento/preço enviam os documentos por correio e em menos de 1 semana recebem de volta os mesmos documentos, as traduções e as certificações. Tudo direitinho e arrumadinho! Além de que podem pagar online, logo é extremamente cómodo (para mim foi tudo, aproximadamente, 120€).
Outra opção viável e com boas críticas é a Vitae Professionals.

Se estiverem mesmo afim de trabalhar fora, não faz sentido nenhum estarem a gastar dinheiro com a Ordem portuguesa, certo? Então, só quando tiverem o vosso PIN number card na vossa mão, tratem de suspender a vossa cédula profissional em Portugal. Não tem qualquer tipo de custos, no entanto, têm que enviar uma carta para a OE com este documento, preenchido e no mesmo envelope enviar a vossa cédula profissional. A suspensão será aceite caso tenham as quotas em dia (pois que para dinheiro eles não dormem) e se mais tarde quiserem voltar, fazem o “descongelamento” da cédula, tendo que pagar o que se paga na inscrição, se não estou em erro, porém podem sempre visitar a sede, perguntando pessoalmente, ou então no site.

Agora com tudo tratado, onde pára o emprego? Vamos então para a segunda etapa, que é a procura de emprego! E neste processo, há duas maneiras de o fazer: directamente pelo NHS ou por agência de recrutamento. Qual a diferença? A única diferença é que pelo NHS terão que se desenrascar vocês pois ninguém vos vai tomar conta da papelada, além de que todas as entrevistas, obviamente, são no UK. Enquanto que nas agências de recrutamento, normalmente ajudam sempre com a papelada, servem como intermediários entre vocês e a entidade empregadora, além de a maioria das entrevistas são em Portugal.

No que toca à procura de emprego no NHS (sistema nacional de saúde inglês), eles não aceitam CV’s há mais de 10 anos, agora é tudo online e para isso basta registarem-se gratuitamente no NHS Jobs para esse efeito. Eles colocam lá todos os anúncios para empregos no NHS e lá fica registado o vosso “CV electrónico”, ao qual eles chamam de “Application form” ao qual terão que preencher minuciosamente. Vocês irão concorrer para empregos de “Staff Nurse band 5” e normalmente em todos os anúncios eles colocam todos os termos, informação e sabe-se lá que mais. Outra coisa, é que raro é o hospital que não tenha site disponível, logo podem ir sempre fazer uma pesquisa antes de concorrer seja para o que for. Pelo NHS Jobs, não tenham receio, concorram e concorram, sendo através de lá que recebem as notificações de que são ou não chamados para entrevistas. Os vossos dados estão protegidos, logo não tenham receio.

Quanto às agências de recrutamento, é preciso ter mais cuidado pois nunca se sabe o que se tem à frente, no entanto, podem sempre consultar esta lista de agências que o NHS considera fidedignas. Aconselho-vos o seguinte, se a agência com que têm contacto não tem pelo menos uma referência de um hospital nessa lista, então esqueçam! O meu conselho pessoal remete-se à agência de recrutamento Kate Cowhig, são extremamente profissionais, afáveis e pacientes, além de que têm duas referências na lista e fazem bastantes entrevistas em Portugal (mais na zona do Porto). Aconselho-vos ainda a darem uma vista de olhos a esta página do ForumEnfermagem que fala só das agências de recrutamento de enfermeiros.

No meu caso, eu concorri pelos dois processos. Concorri pelo NHS Jobs (ao qual cheguei a ir a uma entrevista) e posteriormente por agência, a KCIR, por mero acaso (soube que haveriam entrevistas perto da minha cidade e então aproveitei).
Independentemente do processo que escolherem, convém terem com vocês pelo menos duas referências, que podem ser de professores da vossa universidade, enfermeiros… Que tiveram em contacto com vocês, obviamente. Basta pedirem-lhes uma carta de referência para uma entidade empregadora, que se estiver em português terão que a traduzir e certificar! Ou então façam como eu fiz, em que as pessoas fizeram em português e eu traduzi, assinando eles por baixo, ficando assim como se tivessem sido eles a escrever a referência em inglês.

Quando entrei para a etapa das entrevistas tratei de estudar algumas coisas que no UK é essencial saber. Pois além de vos fazerem perguntas desde o sistema nacional de saúde até à legislação da medicação, normalmente, fazem sempre um teste para ver se estão aptos para a entrevista. Portanto, terão que ter conhecimentos relativamente:

Outras coisas que vos podem ajudar neste processo de ir para fora (não se assustem pela quantidade de sites, eu coloquei de tudo um pouco), são:
  1. Diáspora dos Enfermeiros - o site dos enfermeiros emigrados, onde também têm um guião de como ir trabalhar para o UK.
  2. NHS discounts - todos os funcionários do sistema nacional de saúde do UK tem direito a certos e determinados descontos em todo o tipo de lojas, só para terem uma noção, podem ir desde o supermercado até à Apple.
  3. NHS Careers se têm namorado(a), irmão/irmã, amigos(as) que queiram ir também e precisam de emprego no sistema nacional de saúde, basta pesquisarem neste site como o fazer.
  4. DirectGovJobs - se têm namorado(a), irmão/irmã, amigos(as) que queiram ir também e precisam de emprego mas não estão na área da saúde, basta irem ao site do governo britânico para se aplicarem a um emprego.
  5. BBC radio 1 - para treinar o vosso ouvido aqui em Portugal, nada melhor que ouvir a rádio inglesa online ou então ver filmes/séries sem legendas ou então com legendas em inglês.
  6. Dictionary - dicionário inglês online.
  7. EMC - do género do nosso Prontuário Terapêutico online.
  8. LivemochaBusuu - sites com cursinhos online para aprender inglês, podem sempre aproveitar para treinar.
  9. Consulado Português no UK - com sede em Londres.
  10. Tube map - mapa do Underground/metro em Londres e em Grande Londres.

Follow my blog with Bloglovin