30 de julho de 2017

Os contraceptivos fazem dói-dói!


Portanto, como Orgulhosamente Enfermeira deste estabelecimento sinto-me na obrigação de partilhar alguns artigos ou notícias que afectam a saúde das pessoas... hoje é um desses momentos, que não só vou partilhar com vocês uma notícia sobre métodos contraceptivos, como também vou fazer comentários para vos explicar todas as palavras técnicas e afins. Eu sei, eu sou um máximo... mas como vossa soberana sinto-me na obrigação, por isso aqui vai!
"The finding that the latest version of the injected male contraceptive is now very effective is fantastic news (...) The study found it is possible to have a hormonal contraceptive for men that reduces the risk of unplanned pregnancies in the partners of men who use it."
Não sei se vocês sabiam mas já há algum tempo que a comunidade científica se concentra em produzir outros métodos contraceptivos para os homens, nomeadamente uma pílula, ou seja, hormonas (tal e qual uma pílula que muitas meninas e mulheres tomamos desde sempre). É um grande avanço, certo?
"But the trial of the drug has already been halted – because just 20 of the men (out of 320, don’t forget) found the side effects of the injection intolerable and it was decided that more research needed to be done to try and counteract them. Those side effects included depression, muscle pain, mood swings, acne and changes to the libido."
Portanto, este momento fantástico de avanço científico foi parado... Porquê, perguntam vocês e muito bem? Ora parou pois 20 dos 320 homens do estudo acharam que não conseguiam viver com os efeitos secundários: depressão, mudanças de humor, dores musculares e mudanças na libido. 
Alguns destes efeitos secundários são familiares? Claro que sim, minhas caras súbditas, pois são os efeitos secundários menos graves das nossas pílulas femininas! Por isso minhas caras súbditas, este é um lindo momento para fazermos uma vigília ou um momento de silêncio para estes homens que não conseguem lidar com os efeitos secundários frequentes que muitas mulheres têm que simplesmente levar das pílulas que nos estão disponíveis desde 1960. 
"When it comes to contraception, medicine is clearly biased towards men. Women can have such ailments as depression and acne thrust upon them for the greater good of preventing an unwanted pregnancy, but the same level of discomfort cannot be expected of men. Researchers are now going to spend millions trying to alter this medication so that its side effects are lessened."
Gostava de aproveitar este momento para agradecer à pessoa que escreveu este artigo pois apesar de os artigos terem de ser imparciais, adorei esta pequena opinião... pois apesar de estar escrito de forma sarcástica e irónica, demonstra o quão ridículo a situação é e não só o facto de pararem por completo o lançamento do fármaco como ainda vão gastar mais dinheiro no seu melhoramento. E que tal gastarem o mesmo dinheiro no melhoramento dos fármacos e das pílulas para as mulheres? 
Quando uma rapariga ou mulher começa a tomar a pílula ou injecções contraceptivas e nos falam dos efeitos secundários, qual é a frase mais dita: os benefícios superam os riscos, não é?
"I don’t blame the men who dropped out of the trial for doing so. I blame the medical establishment for treating women like cattle who can deal with the risk of cancer and blood clots to avoid the world being populated by unwanted babies, yet aren’t willing to let men suffer even a slight headache to the same end. (...) The halting of the male contraceptive trial is not justified. Unless the researchers produce evidence that this injection increases the risk of death, cancer – or any side effect with a disproportionately higher risk than the forms of contraception billions of women are already using – they are courting controversy."
Eu, que sempre estive ligada às ciências, nunca pensei que a mesma fosse tendenciosa ou preconceituosa mas, claramente, isso não se verifica neste estudo ou até mesmo com a medicina em si, que diz que como a medicação é para as mulheres, que elas podem arcar com as consequências e efeitos secundários mas deixar homens sofrer com uma dor de cabeça, isso já é impensável!

É um artigo no mínimo controverso mas infelizmente é a nossa realidade.


27 comentários:

Rititi disse...

Realmente, daquilo que pude ler no teu post, é algo para nos fazer pensar. E sim, também gostei da opinião no artigo, porque é um alerta para a realidade. A culpa não é de quem não entende. A culpa é de quem não quer entender, se é que me faço... entender. Ahahah Beijinhos

Inês Silva disse...

obrigada pelo comentário <3
não tinha conhecimento deste artigo, mais ainda bem que o partilhas-te! acho que é algo para o qual as pessoas devem estar sempre atentas

www.pinkie-love-forever.blogspot.com

Maria do Mundo disse...

Já tinha ideia de que assim seria. É bom divulgar estas coisas.

Simple Girl disse...

Não tinha conhecimento disto! De facto isto anda tudo ao contrário, pobre de nós!

Xana disse...

Não sabia. Fico chocada como o "mundo" gere as coisas... Fico com uma revolta tremenda xD

Marta Martins disse...

da que pensar!

i. disse...

Não sabia que isto estava a ser investigado... Seria de facto incrível ter um contraceptivo masculino deste género. Mas coitadinhos dos homens... Estás a ser injusta. Toda a gente sabe que nós somos mais fortes nesse sentido!! ahah, estou a brincar, que ridículo.

Sofia Moniz disse...

Bem, vou falar sem papas na língua, pois este assunto deixa-me mesmo muito irritada. Quando nos queixamos de alguma dor (menstrual, do parto, ... ), a primeira coisa que ouvimos dos homens é "isso é porque nunca levaste um murro entre as pernas!". Ora, bem, vamos então falar deste caso? Nem uma mera medicação aguentam, quanto mais uma descamação de um útero! Nunca aguentariam! A esses homens que se recusaram a tomar (que, de certeza, seriam uma grande parte da sociedade) digo que cresçam. Está mais que na altura da sociedade se tornar feminista e, se esses senhores ainda não sabem o que é, pesquisem.
Beijinhos,
Blog An Aesthetic Alien | Instagram | Facebook
Youtube

Gaja Maria disse...

Acima de tudo é difícil mudar mentalidades, não vai ser fácil conseguir alterar as coisas...

Love Adventure Happiness disse...

A ciência é super tendenciosa. Apesar de haver mais mulheres a morrer de enfartes a medicação é testada em homens na sua maioria. Há uma clara falta de exemplos femininos nos ensaios clínicos porque a medicação pode ter efeitos diferentes ao longo da vida das mulheres dadas as alterações hormonais pelas quais passamos e mesmo efeitos diferentes dependendo da fase do ciclo. Também porque alguns estudos podem acarretar consequências para mulheres em idade fértil, porque os dados ficam muito menos "bonitos" por causa das diferenças hormonais entre mulheres em estádio diferentes da vida!
Isso é um debate que existe há imenso tempo! As mulheres não são tidas em conta como deviam nos ensaios clínicos, mesmo em doenças que as afectam mais a elas do que a homens, porque é mais difícil fazer sentido dos resultados...
Obrigada por esta partilha :D adorei!

Ana Rita disse...

Um post muito interessante! É pena as mentalidades ainda estarem tão fechadas! Isto merecia uma volta de 180º!
Beijinho, Ana Rita*

Andreia Morais disse...

A dualidade de critérios é, de facto, impressionante!

r: Somos duas :)

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e Outras disse...

Oportuna postagem. Minha gratidão! Vida a dois, é a dois. De minha parte, entre "custo/sacrifício" prefiro a camisinha (Kondon), mesmo. Parabéns pela postagem! Meu abraço fraterno. Laerte.

asminhasquixotadas disse...

Realmente... Chega a ser ofensivo. Portanto nós podemos suportar tudo durante anos a fio e a investigação não se importa um caracol com as dores de cabeça, com o ganho de peso e quejandos; mas se for um homem a sentir um desconforto, pára tudo! Aqui d’El Rei que o pequeno macho não se está a sentir fabuloso! Que raio de mundo este...

Ah, também gostei muito do tom da autora do artigo. Passa muito bem a mensagem que quer passar.

Monyque Evelyn disse...

Ótimo post :D
Gostei muito do blog, já estou seguindo!

http://submersa-em-palavras.blogspot.com.br/

Ana Fernandes disse...

Estes Homens não aguentam nadinha hehehehehe
Mas por acaso jà ouvi falar nessa historia dos homens ter experimentado e que não deu resultado.

Beijinhos

Walter Segundo disse...

Bem interessante.

Blog: O Planeta Alternativo

Walter Segundo disse...

Bem interessante.

Blog: O Planeta Alternativo

amartaeumblog disse...

Post muito interessante. Parabéns!
Penso muitas vezes eu parar de tomar a pílula. Tenho a CERTEZA (mas tenho mesmo) que muitos sintomas (e coisas estranhas que se manifestaram 'pós') iam desaparecer...

A Marta

Mafalda Moura disse...

Nunca pensei em ler determinadas coisas ... que artigo interessante em partilhar!

Adriana R. disse...

Controverso no mínimo mesmo! :| Nem fazia ideia que estavam a criar esse novo método. Fiquei chocada com a situação, sou sincera! Ainda bem que partilhaste o artigo.
Beijinhos, The Fancy Cats

Mary Brown disse...

Ainda dizem que somos o sexo fraco. Beijinhos

➳ Nea ☽ disse...

Achei este post mesmo interessante!

riotdontdiet disse...

ja conhecia isso e infelizmente é revoltante!
confesso que nunca tive muitos efeitos secundarios mas quando deixei de tomar (passados uns bons 12/13 anos) para puder engravidar foi hORRIVEL!!! foi nessa altura que consegui mesmo ver do que as pilulas fazem a longo prazo, eu tive tantos efeitos, sentia me de rastos, depressiva, dores tudo... enfim. apassado uns tempos de habituaçao do coro, fiquei logo bem.
gostava de continuar sem a tomar mas por agora teve que ser de volta a ela. espero que um dia seja mesmo melhorada!
https://rrriotdontdiet.blogspot.pt/

Portuguesinha disse...

EXCELENTE artigo.

Faz décadas que me faz aversão este biased treatment ao género.. E não é só na contracepção! Até na concepção... in vitro.

Mas adiante: No que respeita a contracepção para homem sempre soube que não ia adiante. Não por falta de conhecimento. Ele existe! Se há para mulher, há para homem. Só que este não quer. Tem medo. Como uma criança... O que só prova que a sociedade é MACHISTA, ainda são os homens que controlam e mandam. Porque se fosse igualitária, era igual para os dois géneros.

Mas nessa ignorância lamento pelo próprio homem. Pois poder controlar a sua natalidade seria uma ferramenta de poder que ele presentemente não tem. E homem é todo sobre poder... Quer dominar. Nesse sentido, uma mulher que queira engravidar pode fazê-lo a qualquer altura... Mesmo que o homem pense que não vai acontecer. Ela pode tentar e ser bem sucedida. Agora, se este tivesse a tomar hormonas... ele tinha o controlo.

E por isso é um pau de dois bicos: o homem nem sonha que quer ter esse controlo. Só sabe concentrar-se no desconforto e no incómodo de ter de engolir um comprimido para não engravidar uma mulher... E o medo que isso cause danos permanentes ou a longo prazo na sua fertilidade?? Deve ser enorme.

Já a mulher, como bem diz o artigo, tem de sujeitar-se a isso e a destinos bem mais terríveis. Pois a pílula a 100% não garante que não provoque doenças... como se veio a constatar tanta vez em muitas que se achavam seguras - mas que depois causavam CANCRO.

Ah tudo bem se for para a mulher...

A sociedade é MUITO tendenciosa. Totalmente.

Cynthia disse...

Pobres, coitadinhos dos homens................. pffff!

м♥ disse...

Gostei muito deste post e do artigo. Elucidativo, para dizer o mínimo.