18 de junho de 2019

TAG - Geekology

Juntamente com a The Phoenix Flight, a Words à lá Carte, o Tio Heartless e a Sara Dantas, fizemos uma TAG dedicada ao pessoal geek! Espero que gostem...



Esta TAG pode ser respondida em blog post, instagram post ou ainda em vídeo... Não te esqueças de agradecer quem te identificou e podes nomear até 3 pessoas.
Espero que se divirtam a responder às perguntas! 

- Qual foi o livro que leste que te fez sentir mesmo geek?
- Mostra-nos uma das tuas figuras colecionáveis favoritas.
- Tens alguma peça de roupa geek (tshirt, top...)? Mostra uma das tuas favoritas.
- Alguma vez fizeste cosplay? Se sim, mostra o que fizeste. Se não, que personagens gostarias de fazer?
- Qual foi o último comic/graphic novel que leste?
- Qual é o teu jogo favorito (pode ser de pc, xbox, ps, nintendo...)?
- Qual é o teu anime e/ou manga favorito?
- Costumas jogar jogos de tabuleiro (board games)? Tens algum?


17 de junho de 2019

Parabéns ao Maridão!


E quem faz anos hoje? Quem é? A pessoa que mais atura as minhas maluqueiras, LoL.

Parabéns velhote!

14 de junho de 2019

Ideias peregrinas, versão vacinas

 

Tal como tinha dito no Instagram do Reino, eu estive a marinar este post durante bastante tempo pois não sabia mesmo como o escrever mas vocês ajudaram-me e incentivaram-me, por isso aqui vamos nós!

Existe um movimento actualmente, que com as "fake news" e as redes sociais, veio a aumentar imenso, que é o movimento anti-vaxxer, ou seja, o movimento contra as vacinas.
Os anti-vaxxers acreditam que existe uma conexão entre vacinação e autismo, entre outras doenças mentais, além de dizerem que a "Big Pharma" (as grandes companhias e empresas farmacêuticas) só quer lucro e que nos está a envenenar. Ah! E o melhor argumento: para quê vacinar se a maior parte destas doenças já não existem?

Ok, é mais que aceitável cada um ter a sua opinião só que isto não mexe só com uma casa mas com muitas casas, cidades e países! Mas vamos por partes...

Em primeiro lugar, vamos falar sobre o argumento de que as vacinas causam autismo. Se calhar o pessoal que nunca ouvi falar sobre isto, está a pensar onde raio é que foram buscar este argumentos, eu explico. Em 1998, o Dr. Andrew Wakefield (ex-gastroenterologista e investigador médico), decidiu publicar num jornal médico um caso-opinião de que as vacinas podiam criar uma predisposição para doenças mentais e regressão mental em crianças. Escusado será dizer que o jornal médico foi alvo de críticas severas, o médico foi expulso da Ordem e foi-lhe retirada a sua licença para exercer... Mas foi demasiado tarde pois essa "opinião" num jornal médico foi o suficiente para ficar viral. A Academia Americana de Pediatria produziu um documento, com estudos científicos, de 21 páginas, a dizer que sem dúvida não há ligação entre vacinas e o autismo, mas claramente este documento não é do interesse dos anti-vaxxers!
Gostaria de mencionar que acho imensamente triste que para essas pessoas, ou seja, para a sociedade actual, é mais aceitável uma criança não estar vacinada e/ou protegida contra doenças horríveis que a pode matar, do que ser autista (que por si só tem um largo espectro).

Outro argumento, é a Big Pharma que só quer lucro e os está a envenenar... Tudo bem, podem pensar assim mas seria então também aceitável não irem ao médico quando estivessem doentes? É que a Big Pharma faz os antibióticos que tantas vezes nos salvam. A EpiPen para ajudar com choques anafiláticos? Big Pharma. As bombas para a asma? Adivinha: Big Pharma. Já para não falar em medicação para reversão de ataques cardíacos, quimioterapia, etc.
A verdade que toda a gente sabe e ninguém está a esconder, é que tudo tem riscos e tudo tem efeitos adversos. A medicina não é perfeita mas outra verdade é que a ciência já provou que as vacinas é o  melhor método de controlar doenças de se espalharem, ficarmos imunes a elas ou até mesmo como nos afectam...

E isto leva-me ao último argumento que a meu ver é o mais grave: as doenças já não existem, então para que é que as vacinas são necessárias.
Se calhar as pessoas não têm esta noção mas a decisão de vacinarmos os nossos filhos, é uma decisão que afecta a saúde da nossa comunidade. Isto é, o que se chama "imunidade de comunidade" ou "herd immunity", que é quando 90% duma comunidade está protegida e é praticamente impossível uma doença, que pode ser prevenida com vacinas, se espalhar. Ou seja, o recém-nascido que ainda não pode levar vacinas por ser ainda muito pequenino, as mulheres grávidas, os idosos, pessoas com o seu sistema imunitário comprometido (pessoas com cancro, por exemplo) e, ainda, pessoas que não podem ser vacinadas por serem alérgicas.

É por este último ponto que este tema me diz tanto! Como já mencionei aqui no Reino, eu sofri de alergias severas em criança e por isso não pude tomar a vacina do Sarampo até ter 18 anos! Ou seja, até lá tive que me sujeitar à imunidade da comunidade, contar que outras pessoas me iam proteger enquanto eu não pudesse ter a vacina!
Depois quando o Príncipe levou uma das vacinas, ele fez uma reacção horrível e até ele poder levar o resto tive que confiar que o resto da comunidade tivesse as vacinas em dia, para o protegerem... Agora com este movimento anti-vaxxer como acham que me sentia?

Assustada é um eufemismo!

Por isso, é que eu quero internar este pessoal todo! Pois não podem estar bons da cabeça para brincarem com a saúde das outras pessoas assim... 

Mas espero, genuinamente, que este post ajude os indecisos, os mal-informados ou até mesmo para alertar pessoas que conhecem alguém que tomou a decisão de ser um anti-vaxxer.
É do mais triste que há, ver o pessoal a, literalmente desinformar-se na Era da Informação! Só que neste caso afecta-nos a todos. O que é que vocês acham?

Aliás tenho uma questão para vocês, quem acham mais perigoso? Os anti-vaxxers (pessoal anti-vacinas) ou os flat-earthers (pessoal que diz que a terra é plana)?


12 de junho de 2019

The London Tour: Imperial War Museum

Em seguimento de museus que vocês simplesmente têm que visitar, gostaria de incluir este, que para quem é aficionado pelas duas Guerras Mundiais, é paragem obrigatória!


A forma como este museu está feita é simplesmente brutal! Tem 5 andares, nos primeiros é sobre a Primeira Grande Guerra, incluindo exposições interactivas, artigos genuínos mas a que mais gostei foi mesmo um exemplo realista de uma trincheira onde podem circular e ter a verdadeira sensação do que é estar numa trincheira durante a guerra.
Depois os andares seguinte é sobre a Segunda Guerra Mundial, mostrando os avanços científicos e bélicos que houveram em poucos anos, com bocados de submarinos, aviões inteiros, tanques, etc. Maior parte tudo reais! 
O último andar é uma exposição significativa e singular sobre o Holocausto. Mostrando o sofrimento de imensas pessoas, mostrando condições desumanas que tiveram que viver, etc. Chegando ao final mostrando ainda imensos nomes... como que um memorial.

Se forem entusiastas das Grandes Guerras aconselho-vos a perderem uma tarde inteira neste museu para verem com calma, a certas determinadas horas, funcionários do museu dão palestras contando histórias verídicas da guerra em questão e também para perderem tempo com a parte interactiva do museu.

Mesmo que não sejam entusiastas, acho imperativo toda a gente passar por este museu pois abre-nos os olhos para um grande período de sofrimento da humanidade... e para quê?


O que acharam deste museu? Ficaram interessados em visitar?


Imperial War Museum – estação Lambeth North

10 de junho de 2019

We were borderline kids with a book of disorders


Once upon a thrill from a kiss to a swill
We were swallowing the nights like we had nine lives

Dead and gone so long, seventeen so gone

We were borderline kids with a book of disorders
Medicating everyday to keep the straightness in order

Dead and gone so long, seventeen so gone

It's the false side of hope, where believers concede
And there's only memories, when it's over

So pour out some liquor, make it an old fashioned
Remember your youth, in all that you do, the plank and the passion
They were the best of times, they were the best of times
They were the best of times, they were the best of times
Of your life

Once upon before we were brilliant and bored
Two dashes of the bitters, add some ice and you pour

Dead and gone so long, seventeen so gone

It's the false side of hope, where believers concede
And there's only memories, when it's over

So pour out some liquor, make it an old fashioned
Remember your youth, in all that you do, the plank and the passion
They were the best of times, they were the best of times
They were the best of times, they were the best of times
Of your life

(Get boozy, boozy, boozy)
Now it looks like a wasteland
(Get boozy, boozy, boozy)
Not the way that we remember
(Get boozy, boozy, boozy)
One more sip for the past
(Get boozy, boozy, boozy)
And always tip your bartenders

Get boozy, boozy, boozy

So pour out some liquor, make it an old fashioned
Remember your youth, in all that you do, the plank and the passion
They were the best of times, they were the best of times


Nota: eu já mencionei antes o quanto eu adoro as influências nestes dois últimos álbuns de Panic! at the Disco, digam lá que as músicas não estão brutais?

6 de junho de 2019

O maiô cor-de-rosa


Vou-vos contar uma história... Há uns dias no trabalho, estávamos a falar de desportos que praticámos quando éramos crianças. E, a verdade é que, já não pensava nisto há anos!

Eu comecei a praticar ginástica com 4 anos. Ao final de um par de anos, estava a competir... Não fiquem muito impressionados pois não era grande coisa, LoL. Mas os meus pais diziam que eu gostava e tinha amiguinhas lá, por isso, lá continuei.
Contudo, quando tinha por volta de 8 anos, algo mudou. Em vez da equipa de ginástica treinar sozinha no ginásio, comecei a reparar noutras equipas de atletas mais velhos ou de outras modalidades... Comecei a reparar que o treino das outras equipas, era completamente diferente.

Tenho que mencionar que ginástica é um desporto muito difícil, se quiserem ver um pedacinho vejam o filme "Stick it", no qual diz que é mais difícil entrar numa equipa de ginástica de elite do que nos Navy Seals. Tudo verdade! Os treinos são dolorosos e extenuantes...

Além da dificuldade do desporto em si, reparei que as outras equipas não recebiam gritos do treinador; não eram humilhados pelo treinador quando não conseguiam fazer algo; não eram pressionados em posição espargata, por um homem adulto, para obrigar a chegar ao chão... Eu comecei a ver que esse tipo de comportamento não era normal. 
Mas como fazia ginástica, era rapariga e tinha 8 anos, era suposto vestir o meu maiô cor-de-rosa e obedecer o meu treinador pois ele supostamente estava a fazer de mim uma atleta.

Um treinador, especificamente de trampolins, viu-me muito possivelmente a observar. Num dos treinos mais leves lá me deve ter chamado e perguntado se queria experimentar... Adorei!
Eu já não era grande coisa a ginástica, esquecia-me das rotinas a meio e a técnica não era grande coisa... Então a trampolins era bem pior, LoL. Mas gostava imenso, treinava e dava o meu melhor, que era a única coisa que o treinador de trampolins pedia.

A certo ponto estava a treinar ginástica e trampolins ao mesmo tempo (além da natação que tinha na escola). Porquê?
Porque eu tinha medo do meu treinador de ginástica. Tinha medo do que ele fosse fazer...
Até ao momento do sarau (que é basicamente um ajuntamento de todas as modalidades daquele ginásio, em jeito de celebração de fim de ano para as famílias dos atletas), levei o meu maiô cor-de-rosa e o equipamento dos trampolins. Não me perguntem como esta situação chegou a este ponto mas lembro-me perfeitamente de ambos os treinadores estarem à minha frente, tenho ideia da minha mãe estar comigo e eu, com 8 anos, a apreciar o meu treinador de ginástica irado porque eu não podia representar ambas modalidades. Dizia que tinha que obrigatoriamente escolher uma!

Então o treinador de trampolins diz que isso não cabia a eles decidir mas à atleta. Lembro-me da minha mãe me perguntar o que queria praticar... O meu cérebro de 8 anos fez assim uma regra 3-simples e muito prontamente escolhi trampolins.
Se o treinador de ginástica estava irado, agora estava fulo e só me lembro de ele sair dali abruptamente como que uma criança que perdeu num jogo.

Continuei a praticar trampolins e a ir a competições até aos meus 13/14 anos, que foi quando o meu treinador se foi embora e mesmo quando mudei para outro, não tinha a mesma confiança por isso desisti.
Apesar de nunca ter chegado a lado nenhum pois nas competições se o meu treinador não tivesse ao lado do trampolim, eu não conseguia saltar direito. Muito provavelmente eu não conseguia aguentar o medo e o stress das competições...
Não pensem que mudei para uma modalidade mais fácil, o treinador era na mesma exigente. Tinha na mesma que usar um maiô (preto, vermelho e branco), treinar vários dias por semana e até nas férias. Mas nas férias praticávamos outras modalidades: atletismo, rugby, futebol, basquetebol, voleibol e até escalada. Para desanuviar dizia ele... Mas tínhamos na mesma que dar 100%.

Outra coisa que me lembro vivamente é que na minha equipa eu era a única rapariga... possivelmente a piorzinha deles todos em termos de comportamento, LoL. Cheguei a ter uma entorse do tamanho do mundo (a minha única lesão, a sério, em tantos anos de desporto de competição) pensando que tinha partido o pé e foi o meu treinador que me levou ao hospital. Porque é que me lesionei? Porque estava a teimar com ele que não conseguia fazer aquele salto em particular (mortal invertido, nunca me esquece) e em pleno salto bati na barra de ferro do trampolim.
Sim, só de pensar, está-me a doer o pé. Porém, quando a minha teimosia vinha ao de cima, ele dizia-me sempre: se não experimentares não sabes, se errares, levantas-te e fazes outra vez. Na verdade dessa vez foi a única vez que correu mal, LoL. Então eu disse (ultra-mega facepalm): eu salto, só para tu veres que eu não consigo! 

Mas sem gritar, nunca me humilhou, sempre procurando melhorar-me como atleta e pessoa. Apercebi-me a contar esta historia, que não visto cor-de-rosa desde essa altura. Provavelmente na minha cabeça está associado a abuso e humilhação, que era o maiô que tinha que usar na ginástica.
Isto para dizer o quê?

Demorei a perceber que a relação treinador-atleta não era aquela a que estava habituada, na verdade não conhecia outra até aos meus 8 anos, depois a essa idade foi-me colocada uma escolha.
O que eu quero dizer com isto é que as crianças tendem a ver o mundo de maneira mais simplista, mesmo quando estão perante algo que têm medo ou um abusador ou um bully... Na realidade, temos mais força do que pensamos e pequenas escolhas como: ginástica ou trampolins, pode ficar connosco para sempre.
Conforme fui crescendo sofri de bullying por parte de colegas (o considerado "normal" na altura como brincadeiras de miúdos). Sempre em todas as situações que me lembro, de preferir ficar sozinha do que estar numa situação daquelas. Aquele momento de força ou simplesmente uma visão infantil de uma pequena escolha, ficou para sempre.

Por isso, qual for a vossa escolha, por mais pequena que seja, façam-na com o vosso coração. São felizes? Sentem-se bem? Vale a pena? Basta uma pequena escolha por nós e aos poucos começamo-nos a aperceber que temos valor, seja com ou sem pessoas à volta... desde que estejamos bem e a fazer algo que gostamos .

Por isso, a minha mensagem é, confiem em vocês, tenham força e não usem maiôs cor-de-rosa só porque é a norma. Acima de tudo, sejam felizes.

4 de junho de 2019

Game of Thrones: the end!



Acho que dei tempo suficiente para o pessoal ver a nova temporada de Game of Thrones até ao fim... e assim já posso fazer a minha review. 

Ora bem, quando GoT vi a primeira temporada, fiquei logo excitadíssima pois uma série baseada em livros, tinha que sair algo brutal. As personagens estavam extremamente bem construídas, momentos de rir, momentos de chorar, momentos de querermos atirar uma cadeira à televisão... esta série tinha tudo e nunca sabíamos o que esperar!

Até à última temporada.

É assim, eu tenho pena dos argumentistas e do realizador porque por pressões de contrato, tiveram que acabar a série sem o George Martin pois ele ainda não acabou de escrever os livros. Ou seja, em apenas 6 episódios tiveram que acabar uma temporada que para sempre ficará na memória de muita gente por ter sido tão marcante. Não percebo porque é que fizeram apenas 6 episódios pois cada episódio parecia apressado.
A batalha com o Night King... quase 8 temporadas nisto e para resolver demora 5 minutos. Os espectadores não estavam habituados a esse tipo de coisas vindo de GoT, daí o motim. 

Eu respeito o esforço dos argumentistas e do realizador mas tenho que ser sincera que quando acabei de ver a série, parecia que tinha um prato de comida sem sal: sem tempero e sem sabor. O que é completamente o oposto de GoT. O que acontecia com cada personagem era secundário, a história envolvente é que ficava mesmo aquém... 

Mas estou a adorar ver petições para voltarem a fazer esta última temporada de GoT, quando os fãs de Lord of the Rings estão a tremer nas botas enquanto a Amazon está a produzir uma série sobre os livros e os fãs de Inheritance Cycle (Eragon) que estão aos anos para terem justiça pois aquele filme está para lá de mau, LoL.

E vocês? O que acharam desta última temporada? Ficaram desiludidos ou perceberam o que os argumentistas tiveram que fazer?

30 de maio de 2019

The Book Swap 2019


Em primeiro lugar, espero que tenham gostado do The Book Swap! Muito obrigada a todos os que participaram, partilharam, gostaram, comentaram, tudo, LoL. E, em segundo lugar, tal como prometi, este é o hiper-mega post com todos os vossos posts, para vocês poderem ver o que cada um recebeu e tornar isto uma grande discussão sobre livros!

E que tal irem fazer uma visitinha a cada um dos participantes? Acho que vão adorar descobrir cantinhos novos... E agora que vos mostrei os posts de toda a gente, tenho uma perguntinha para vocês: acham que deva organizar um The Book Swap para o próximo ano?!

P.S. - não tem nenhuma ordem em específico, foi literalmente conforme o pessoal me foi mandando os links para o mail.

28 de maio de 2019

O meu querido blog


Ao longo destes (quase-quase 10 anos de blogosfera), quem me segue há algum tempo sabe o quanto eu gosto de escrever. Aliás, quando me comecei a sentir melhor dos baby blues foi precisamente isso que senti falta: do meu Reinozinho. 

Depois na pura da loucura criei uma conta no Instagram para, tal como a página no Facebook, chegar a mais gente. Já disse várias vezes nas stories no Instagram, que tenho imensa pena de não ter começado há mais tempo! Torna mesmo a relação com os meus queridos súbditos mais íntima e até mesmo pessoal que me segue há imenso tempo, que não comentava o blog pois era assim uma plataforma mais formal mas que se sente à vontade em o fazer no Instagram
Em seguida, começaram os vídeos... que eu muito honestamente nunca pensei que fosse para mim pois o Youtube em si era pesadelo para a minha pessoa, contudo, a verdade é que o formato informal da IGTV enquadra-se perfeitamente na minha personalidade! 

Portanto, recentemente, estive com a dúvida existencial de usar o canal de Youtube do Reino para alguns dos vídeos... Perguntei-vos a vocês seguidores, o que achavam. 
Adorei todo o feedback mas neste caso apliquei uma técnica que se aplica no meu trabalho, que é a técnica da "balcony view" (a vista da varanda). Quando a situação se está a tornar stressante ou estou a sentir ansiedade, dou um passo atrás e olho para a situação com outra perspectiva.

O blog sempre foi algo que me deu prazer, escrever sempre foi catártico para mim (daí este post)... O Instagram veio juntar toda uma nova alegria! Então porque sinto ansiedade relacionada com o Youtube. Talvez porque é um formato mais formal, para o qual não esteja preparada e por ser algo que tenha que dividir mais a minha atenção... Isto não é o meu emprego, já para não falar que tenho ainda a minha vida familiar. Por isso, por amor ao meu blog e à minha sanidade mental, não vou incluir os vídeos do Youtube de momento.
Não estou a dizer que nunca o farei mas não de momento...

Muito obrigada a quem me segue, uns há mais outros há menos tempo, mas todos importantes... Pois sem vocês, isto era basicamente pregar para os peixes, LoL.

26 de maio de 2019

Sala de Cinema: A League of Their Own




Este filme é baseado em na história real da All-American Girls Baseball League e vocês já sabem que eu adoro tudo que seja baseado em factos reais.
Esta liga começou em 1943 como que financiar os homens na guerra e apesar de as mulheres terem "voltado para a cozinha" quando os homens regressaram da guerra, algumas continuaram a jogar até 1954 e só em 1988 é que receberam a menção honrosa no Baseball Hall of Fame.

O filme estreou em 1992 e é simplesmente um manifesto feminista fantástico. Mas não é o ponto principal deste filme... O enredo vai em volta duas jogadoras que são irmãs, que foram recrutadas pela personagem mais brutal do filme, LoL. 
Gostaria de dizer que vocês vão ver este filme e vão reconhecer muitas caras, agora extremamente conhecidas. Geena Davis, Tom Hanks, Jon Lovitz, Madonna (sim ela entra neste filme com um papel fantástico), Rosie O'Donnel e muitos mais. 

Então o filme retrata o início desta Liga, em que eram recrutadas pelo seu talento no baseball mas também por serem bonitas pois tinham que atrair multidões, senão não havia fundos. Achei que o facto de ter sido uma mulher, Penny Marshall, a realizar este filme demonstra perfeitamente a incerteza destas mulheres de considerarem desporto profissional como profissão. Então é interessante ver esta ambivalência entre a tradição e a emancipação da mulher.

Este é um daqueles filmes que adoro rever e é um excelente lembrete de como as coisas evoluíram em apenas um par de décadas mas que ainda há muito mais para evoluir!

Vocês conheciam este filme? Já viram ou ficaram interessados em ver? Sabiam que a Madonna tinha entrado em filmes?

24 de maio de 2019

Dia Mundial do Livro, parte 2

Houve uma surpresa relativamente ao The Book Swap... Vejam o vídeo e vão perceber o que é!



Daqui a uns dias sairá o hiper-mega post com todos os posts, vídeos e fotos do The Book Swap... estão prontos?

22 de maio de 2019

Mistborn series: The Final Empire


"Reen had always told her that a girl needed to be tough - tougher, even, than a man - if she wanted to survive."

Este é o primeiro livro da saga Mistborn escrito pelo Brandon Sanderson. Tenho que mencionar que este é o meu primeiro livro que li em 2019... e só me apercebi do porquê de estar a demorar tanto tempo a ler depois, LoL. Para perceberem o que eu quero dizer basta verem o vídeo da minha book review

Relativamente ao livro em si, é simplesmente muito bem escrito. É fantasia, passado numa era tipo feudal, com um sistema de magia complexo mas extremamente consistente ao longo do livro. A escrita do autor está tão boa que ao se ir lendo o livro vamo-nos mergulhando num novo mundo, explicando governo, política, hierarquias sociais, preconceitos e muito mais!
A magia introduzida neste livro chama-se Allomancy, que é basicamente a capacidade de "queimar" certos metais, no nosso corpo, para dar poderes. Como por exemplo, melhorar os nossos sentidos, curar mais depressa, alterar os sentimentos e emoções de outras pessoas, etc. Mas obviamente isso requer treino... E o treino é requerido para o maior heist da história daquela terra, que é onde a nossa personagem principal está envolvida.

Adoro a interacção das personagens! Quando a personagem principal é feminina, autores tendem a dar-lhe um diálogo mais condescendente mas este não. Aliás acho que me apaixonei de facto de como esta personagem evoluiu... sabes já sabem que odeio personagens femininas coitadinhas. No início ainda pensei que ia ser esse o caso mas não, apenas a personagem passou por muitos traumas e isso reflecte-se na sua descrição.

Contudo, (e é aqui que a @thephoenixflight está a revirar os olhos porque eu fui logo chateá-la com isto) eu fiquei desiludida pelo facto do romance não estar elaborado no final do livro. Eu não estou a dizer que é preciso romance em todos os santos livros mas se o autor vai pegar nesse elemento, então há que fazer um bom trabalho e talvez tenha ficado tão irada porque o livro está tão bem escrito, o enredo tão envolvente, que uma pessoa esperava mais. Aliás, eu fiquei tão fula que dei 3 estrelas a este livro no Goodreads mas vou mudar a classificação agora que já me acalmei um bocado, LoL.

Vocês já leram este livro ou algum deste autor? Ficaram curiosos para ler este livro ou fantasia não é bem o vosso género?

20 de maio de 2019

Learn to swim



Some say the end is near.
Some say we'll see Armageddon soon.
Certainly hope we will.
I sure could use a vacation from this bullshit three-ring circus sideshow of freaks.

Here in this hopeless fucking hole we call L.A.
The only way to fix it is to flush it all away.
Any fucking time. Any fucking day.
Learn to swim, see you down in Arizona Bay.

Fret for your figure
And fret for your latte
And fret for your lawsuit
And fret for your hairpiece
And fret for your Prozac
And fret for your pilot
And fret for your contract
And fret for your car.

It's a bullshit three-ring circus sideshow of freaks.

Here in this hopeless fucking hole we call L.A.
The only way to fix it is to flush it all away.
Any fucking time. Any fucking day.
Learn to swim, see you down in Arizona Bay.

Some say a comet will fall from the sky.
Followed by meteor showers and tidal waves.
Followed by fault lines that cannot sit still.
Followed by millions of dumbfounded dip shits.

And some say the end is near.
Some say we'll see Armageddon soon.
Certainly hope we will
I sure could use a vacation from this stupid shit, silly shit, stupid shit.

One great big festering neon distraction,
I've a suggestion to keep you all occupied.

Learn to swim.
Learn to swim.
Learn to swim.

Mom's gonna fix it all soon.
Mom's comin' 'round to put it back the way it ought to be.

Learn to swim.

Fuck L Ron Hubbard
And fuck all his clones.
Fuck all these gun-toting
Hip gangster wannabes.

Learn to swim. 

Fuck retro anything.
Fuck your tattoos.
Fuck all you junkies
And fuck your short memory.

Learn to swim.

Fuck smiley glad-hands
With hidden agendas.
Fuck these dysfunctional
Insecure actresses.

Learn to swim. 

'Cause I'm praying for rain
I'm praying for tidal waves
I wanna see the ground give way.
I wanna watch it all go down.

Mom, please flush it all away.
I wanna see it go right in and down.
I wanna watch it go right in.
Watch you flush it all away.

Time to bring it down again.
Don't just call me pessimist.
Try and read between the lines.
And I can't imagine why you wouldn't welcome any change, my friend.

I wanna see it all come down.
Bring it down
Suck it down.
Flush it down.

Nota: Já vos tinha dito que sou grande fã de Tool? Aliás tudo o que o Maynard toca é perfeito, LoL. Esta música é exemplo disso mesmo... o que acham? Gostam ou não é bem o vosso género?

18 de maio de 2019

The London Tour: Holland Park (Kyoto Garden)

Vamos variar e neste post quero mostrar-vos um dos meus parques favoritos de toda Londres!


O Holland Park fica numa zona toda chique, que se vocês quiserem explorar e tirar fotografias é brutal mas quero é falar-vos deste parque maravilhoso e enorme. Fazem concertos e espectáculos, além de outros eventos, já para não falar de que quando está calor, há imensa gente nos seus relvados a fazer piqueniques ou simplesmente estendidos a fazer fotossíntese.


Este parque tem de tudo! Tem uma zona que parece saída da era Victoriana, uma zona que na primavera parece um mar de tulipas (Holland Park, get it?), tem imensos esquilos e alguns pavões soltos que fazem as maravilhas do pessoal a tirar fotos.


Mas a jóia deste parque é mesmo o Kyoto Garden, um jardim japonês, que parece tão deslocado no meio de um parque mas é simplesmente maravilhoso. As fotos não lhe fazem justiça, têm mesmo que visitar!

Conheciam este parque? Ficaram curiosos?


Holland Park - estação Holland Park

Post anterior: The London Tour - Natural History Museum & Science Museum.

16 de maio de 2019

The Umbrella Academy


Esta série foi assim um turbilhão de sentimentos, em primeiro lugar, para quem me segue há mais tempo sabe que eu adoro o género dos X-Men, pessoal com poderes e afins. Em segundo lugar, foi escrito pelo vocalista dos My Chemical Romance, Gerard Way e tem ainda a Helen Page! Nem podia acreditar! 
Portanto, esta série é isso mesmo, pessoal específico com certos poderes (ao todo 43 no mundo todo) que 7 foram criados juntos por um milionário excêntrico e que depois da morte dele os volta a juntar... 
Para quem está à espera de montes de cenas de acção como as séries da Marvel na Netflix, está bem enganadinho. Esta série não é nada assim... ou seja, torna-se uma série mais lenta no desenrolar da história, contudo isso deixa-nos bastante tempo para conhecermos o lado de cada elemento e os seus dramas, o que achei brutal!
Adorei esta série, cada episódio respondia a perguntas e deixava-nos com mais, LoL. Adorei a componente imensa de time travel, dos poderes e como mesmo num mundo fantástico nos podemos relacionar com as personagens, o que muitas vezes falha neste tipo de séries.

Em suma, gostei mesmo muito! Se gostam de cenas de super-heróis, um enredo com segredos, dramas mas não atulhado de acção, esta série é para vocês. E vocês, já viram? O que acharam?

12 de maio de 2019

Eu sou Vegan porque é fixe...



Antes de sequer começar este post quero deixar bem claro que esta é a minha opinião pessoal, se por acaso não concordam com o que vou dizer, tudo bem... Se toda a gente concordasse comigo, eu já tinha resolvido esta macacada chamada  de Brexit.
Portanto, o post de hoje é sobre o veganismo e o que penso sobre isso. Se bem que devia incluir o vegetarianismo na mesma categoria pois têm a mesma filosofia mas na essência prática, o veganismo é mais extremo e por isso vou focar-me nele.

Para quem não sabe, o veganismo autointitula-se de filosofia de vida (digo auto-intitula-se pois dizem que o vegetarianismo é uma escolha dietética mas eles são uma filosofia) que procuram excluir na medida do possível e do praticável, todas as formas de exploração e crueldade com os animais, para alimentação, vestuário ou qualquer outra coisa e por extensão promove uso de alternativas livres de abuso animal e ambiental.
Soa espectacular mas na prática é uma restrição alimentar bastante severa, não consomem produtos animais e de origem animal: carne, peixe, lacticínios, ovos, mel... Enquanto que os vegetarianos apenas não consomem produtos animais (carne e peixe), por isso podem logo aqui ver que o veganismo é uma dieta mais rígida.

Ora bem, eu sou totalmente de acordo com os ideais. Acho que os princípios éticos são de louvar, além ainda a importância que dão à sustentabilidade.
Contudo! E é aqui que o pessoal pode não gostar...

Eu não concordo com as restrições dietéticas, assim à maluca.

Eu como enfermeira, eu como profissional de saúde, não posso compactuar com isto. Tento sempre respeitar as decisões dos outros mas no que toca à saúde, não percebo como podem escolher esta restrição alimentar só por causa dos ideais ou porque é moda. Sim, porque por mais que me digam que a The Vegan Society foi criada em 1944, só no espaço de 5 anos é que se viu o número de praticantes/seguidores a aumentar num pico extremo, devido às redes sociais e aos "influencers".

Quero deixar bem claro que o vegetarianismo e o veganismo têm os seus benefícios em termos dietéticos... para pessoal que precisa ou pessoal que se informa!
Pessoas com doenças cardiovasculares severas, com tensão muito alta, diabetes, com alguns tipos de cancro e algum tipo de hipo ou hipertiroidismo. Mas para pessoal que não tem nada disto e decidiu só porque sim, seguir este regime dietético sem acompanhamento, é normal depois haver falhas de vitaminas e minerais essenciais, acabam por adoecer mais vezes, ou seja, se não houver equilíbrio e diversidade na dieta, o nosso corpo não vai receber os nutrientes que necessita, o que pode resultar em carências de ordem física, mental ou psicológica.

Eu gosto genuinamente da comida vegetariana/vegan pois é super saborosa mas nunca vou descuidar a carne, peixe e produtos de origem animal pois acho que tudo isto é necessário para o nosso corpo. Mas essa é a minha visão.

Contudo, principalmente, adolescentes e crianças que são mais influenciáveis, vêem o pessoal influencer (estão a ver de onde vem o nome?) vegan ou vegetariano a fazer a sua vidinha e até pensam que são saudáveis pois são magros (sim, é essa a lógica), são capazes de tomar um complemento ou outro mas promovem esse estilo de vida... Só que depois tem o que seria de esperar, esse mesmo pessoal influencer, deixou de ser vegan ou vegetariano pois o organismo ficou debilitado. Ficaram com problemas de digestão, depressão, cansaço, falta de energia, etc.
Mais uma vez, está nas mãos de cada um decidir o que quer fazer e sou muito de "live and let live" mas quero que vocês tenham a consciência das vossas escolhas! Eu compreendo que querem seguir a filosofia e os ideais mas há outras maneiras com certeza, de o fazerem do que denegrirem a vossa saúde e não serem tão extremistas.

E vocês o que acham deste novo movimento? Conseguiriam fazer estas restrições?

P.S. - queria agradecer à @tilym77 pelos links e por me ter incentivado a escrever sobre o tema e à @joanaperez por ter sido a primeira prova de fogo do post!

10 de maio de 2019

Make-up Express

Para os mais desatentos... Depois de uma seguidora ter sugerido mostrar a minha rotina de maquilhagem, decidi mostrar-vos em não um mas dois vídeos, no Instagram do Reino, a minha maquilhagem express que eu faço em 5 minutos todos os dias mas que os vídeos ficaram super longos porque eu não me calava, LoL.


Eu já mencionei aqui no Reino, o que uso ou deixo de usar relativamente a maquilhagem mas realmente assim em vídeo é diferente... O que acharam?


8 de maio de 2019

Sala de cinema: The Shawshank Redemption


Com certeza toda a gente vai concordar comigo e dizer que The Shawshank Redemption tem, não só um lugar cativo nos clássicos, como é simplesmente um dos grandes filmes de sempre! Saiu em 1994 com um muito jovem Morgan Freeman e não sei se vocês têm essa consciência mas este filme é baseado num livro do grande Stephen King.

Normalmente dizem sempre que o livro é sempre melhor por isso se o filme está brutal, agora imaginem o livro... Antes que pensem nisso, este filme não é de terror mas sim um filme sobre amizade, esperança, preserverança, sabedoria, com plot twists e muito, muito mais!

Então o filme acompanha a jornada de um contabilista Andy Dufresne, que depois de um crime de paixão foi para a Prisão Shawshank para o resto da sua vida. E o que começa com uma personagem inocente, rapidamente demonstra não só uma capacidade imensa de sobreviver na prisão como organizar a sua fuga que é o grande plot twist.

Li uma vez uma frase que descreve perfeitamente o sentimento por este filme: "If you don't love Shawshank, chances are you're beyond redemption."

E vocês, já viram? O que acham deste clássico? 

4 de maio de 2019

The Day of the Geeks


Eu, simplesmente, adoro este dia! Não necessariamente por ser hiper-mega de Star Wars (também, né) mas porque os geeks apoderaram-se deste dia para celebrar a sua geekness.
Seja filmes, seja livros, seja séries, seja anime, seja manga, até que seja jogos... neste dia juntamo-nos todos e celebramos, seja qual for a nossa fandom!

Por isso, neste May the Fourth, embrace your geekness, LoL. 

E a vocês, o que diz este dia?

2 de maio de 2019

We're screaming like demons, swinging from the ceiling!


Well it's midnight, damn right, we're wound up too tight
I've got a fist full of whiskey, the bottle just bit me

That shit makes me bat shit crazy
We've got no fear, no doubt, all in balls out

We're going off tonight
To kick out every light
Take anything we want
Drink everything in sight
We're going 'til the world stops turning
While we burn it to the ground at night

We're screaming like demons, swinging from the ceiling
I got a fist full of fifties, tequila just hit me

We got no class, no taste, no shirt, and shit faced
We got it lined up, shot down, firing back straight crown

We're going off tonight
To kick out every light
Take anything we want
Drink everything in sight
We're going 'til the world stops turning
While we burn it to the ground at night

Ticking like a time bomb, drinking 'til the night's gone
Well get your hands off of this glass, last call my ass
Well no chain, no lock, and this train won't stop
We got no fear, no doubt, all in balls out

We're going off tonight
To kick out every light
Take anything we want
Drink everything in sight
We're going 'til the world stops turning
While we burn it to the ground at night

We're going off tonight
To kick out every light
Take anything we want
Drink everything in sight
We're going 'til the world stops turning
While we burn it to the ground at night


Nota: gostava de vos dizer que descobri esta música no meio duma playlist da Amazon Music e quando estava  ouvir pensei "epá mas que música altamente, quem é que canta isto?". Para qual o meu espanto que é Nickelback e agora sinto-me suja por gostar de uma música deles, LoL. Bem, paciência, fica o meu guilty pleasure...