22 de março de 2019

The Book Swap


Tive esta ideia mas vou ser sincera o suficiente em dizer que discuti a ideia com a The Phoenix Flight e ia falar com bloggers ou booktubers directamente para saber quem estaria interessado em participar... Só que depois pensei: mas tira a piada da cena pois acaba sempre por excluir alguém, por isso decidi colocar mesmo num post!

Então sejam bem-vindos ao The Book Swap, que é essencialmente uma troca de livros!
E como vai funcionar perguntam vocês? A troca de livros é para celebrar o Dia Mundial do Livro que é dia 23 de Abril. Ok, até pode parecer que ainda falta muito tempo mas a verdade é que é preciso saber quem estaria interessado em participar para isto sair uma coisinha em condições.

Portanto, quem quisesse participar teria que obviamente inscrever-se (até dia 8 de Abril) dando o seu nome e morada, para que depois no dia 9 de Abril haja o sorteio e receberão a morada de outro blogger ou bookstagramer ou booktuber para poderem mandar por correio, a tempo e horas, um livro à vossa escolha. 

Seja usado ou novinho em folha, um clássico ou um contemporâneo... é inteiramente a vossa escolha o querem mandar para celebrarmos o Dia Mundial do Livro de 2019 de maneira hiper-mega especial!


Então, resumindo:

  • Troca de livros, qualquer livro que quiserem, novo, pré-amado, o que quiserem desde que esteja em condições;
  • Inscrever-se até dia 8 de Abril, enviando nome e morada para o email omeureinodanoite@gmail.com
  • Estarem atentos ao sorteio dia 9 de Abril e receberão por email nome e morada doutro participante;
  • Enviarem o livro para chegar antes do Dia Mundial do Livro (23 de Abril);
  • Fazerem, no dia 23 de Abril, um post no vosso Blog ou canal de Youtube ou Instagram, incluindo a imagem do The Book Swap, mostrar que livro receberam e agradecer quem vos enviou o livro por um Dia Mundial do Livro espectacular!

Quem gostaria de participar? #thebookswap

Nota: o The Book Swap está aberto internacionalmente, não exclusivo só a Portugal mas se por acaso não tiverem possibilidades para enviar internacionalmente, basta mencionar na vossa inscrição; os vossos nomes, contactos e moradas estão protegidos pois serão enviados privadamente. 

20 de março de 2019

A resposta está nos olhos


Acho que é escusado dizer que a espécie que se destaca (pelo melhor e pelo pior) neste planeta é definitivamente o ser humano moderno. Não é pelo facto de que temos Netflix ou a nossa habilidade de dar a volta ao mundo num só dia, ao contrário dos nossos "primos" peludos que além das suas casas, o mais longe que vão é para os zoos.

A grande diferença entre as duas espécies são mesmo os nossos olhos. Não como os olhos são o espelho da alma mas pelo facto de nós termos a esclerótica (a parte branca dos nossos olhos), enquanto que os macacos têm a esclerótica castanha ou preta.

A grande razão para isto, é que os nossos olhos são para serem vistos. Isto é, pois nós evoluímos trabalhando em conjunto! Por exemplo, se um tigre dente-de-sabre estivesse por perto e eu estivesse a olhar para ele, outra pessoa conseguia seguir a direcção do meu olhar e saber de onde viria o perigo. Se isto não acontecesse não chegávamos à era estonteante da Casa dos Segredos, LoL. Enquanto que com os macacos se um deles estiver a olhar para um cacho de bananas, outro não conseguiria seguir o olhar por causa da esclerótica. 

E o que é que vocês aprendem com isto? Está-nos nos genes sermos cooperativos, enquanto que com os macacos está-lhes nos genes serem competitivos. E o cerne da questão é que nós evoluímos para ajudar outros humanos... por isso, é que eu não percebo tanto racismo, xenofobismo e homofobia. Todos temos esclerótica branca, todos temos sangue vermelho e apesar de algumas diferenças, essencialmente somos o mesmo! Não acham?

18 de março de 2019

Baby Shower



Por acaso, aqui a vossa Soberana não é grande exemplo para ninguém, LoL. Mas o normal para uma futura mãe é passar grande parte do tempo a preparar a chegada do rebento: aulas de preparação para o parto, plano de parto (que eu não concordo nada), preparar o quarto do bebé, etc.

Antes de eu entrar em licença de maternidade, o pessoal do trabalho organizou-me uma "baby shower", que foi super linda e estou-lhes eternamente grata por uma tarde maravilhosa e todos os presentes, que alguns ainda hoje uso. Mas também a baby shower é mais focado no parto, no bebé e ter a certeza que temos tudo para a chegada do novo rebento. Um baby shower, apesar de maravilhoso para celebrar uma grávida e a chegada de um bebé, não ajuda de todo na parte mais difícil de ser mãe: o pós-parto.

É suposto os instintos maternais estarem dentro de ti e aparecerem naturalmente, certo? ERRADO!

Apesar de ser óptimo termos dezenas de outfits para vestir aquele rabinho lindo que vai dar umas quantas cagadas explosivas, o que uma mãe precisa mesmo nesses primeiros meses é de suporte. Note-se que eu disse suporte, sinónimo de ajude e não de pessoal que vai ver o bebé e espera ser recebido qual rainha de Inglaterra.
Por isso, que tal em vez de uma festa pré-natal, que tal um "evento" com as pessoas mais chegadas (tanto família como amigos), tanto para ver o bebé como para estar com a mamã e ajudar no que for preciso. Por exemplo, porque não as pessoas se organizarem e fazerem entregas de refeições todas as semanas, ou ajudar com alguma coisa em casa (a montanha de roupa, por exemplo), ou ficarem com o bebé um par de horas enquanto os novos pais dormem uma tão merecida sesta descansada, ou ainda perguntarem se precisam de algumas mercearias e a lista continua...

Adorava que esta ideia pegasse moda pois apesar da preparação para o parto ser importante, a verdade é que o pós-parto é que é de facto intenso e se tivermos este tipo de apoio que uma mãe precisa e merece.

16 de março de 2019

UK: 7 anos



Como já mencionei cá no Reino, qualquer pessoa que emigra, passa a ter mais um aniversário. Mais uma data importante nas suas vidas e aguardada com carinho... E hoje, para nós, tem um significado especial! 

Hoje faz 7 anos que embarcamos no avião a caminho do UK. 

Este ano, marca também neste Março o Brexit e se até agora já foi uma aventura... nem quero imaginar daqui para a frente!

14 de março de 2019

Sala de Cinema: Gone with the wind


"You should be kissed and often and by someone who knows how!"

Para começar esta nova crónica, queria mencionar este filme primeiro. "Gone with the wind" foi lançado em 1939 e o filme dura quase 4 horas, o que já para a altura era considerado uma grande aposta mas que valeu a pena pois o filme se tornou num grande clássico do cinema e uma janela de visualização para aquela época.
O filme decorre por volta de 1860 num estado sulista dos EUA, mostrando como era a vida antes, durante e depois da Guerra Civil. 
 E um facto engraçado, a actriz que faz de Mammy foi a primeira African-American a ganhar um Oscar. Ainda antes da Segregação acabar! 

Pessoalmente, eu e a minha mãe adoramos ver este filme juntas! É um enredo de faca e alguidar, LoL. Além que nos divertimos sempre quando ela faz um vestido com as cortinas... 
É um excelente filme para se ver em família num domingo à tarde. Um maravilhoso clássico, sem dúvida!

Já viram este filme? Se viram o que acharam?

12 de março de 2019

Rattle your cage



Let me hear you scream!

I'm black and bruised, beat up, but still I take the blows
'Cause all I need is blood and sweat and skin and bones!

I'll take this rage,
Rattle your cage,
Nobody said it's easy!
It's do or die,
Only the strong survive!

Get ready for the last stand!
Get ready, I'm your hangman!

Let me hear you scream like you want it!
Let me hear you yell like you mean it!
If you're gonna go down:
Go loud!
Go strong!
Go proud!
Go on!
Go hard or go home!
Let me hear you scream!

I'll pull you up and push you right back in your place!
I'll take you down and wipe that smile right off your face!

I'll watch you break,
Your mine to take,
Don't blink; you just might miss it!
It's all or nothing,
Nowhere left to run!

Are you ready for the last fight!
Get ready with the war cry!

Let me hear you scream like you want it!
Let me hear you yell like you mean it!
If you're gonna go down:
Go loud!
Go strong!
Go proud!
Go on!
Go hard or go home!
Let me hear you scream!

Let me hear you scream like you want it!
Let me hear you yell like you mean it!
If you're gonna go down:
Go loud!
Go strong!
Go proud!
Go on!
Go hard or go home!

Let me hear you scream like you want it!
Let me hear you yell like you mean it!
If you're gonna go down:
Go loud!
Go strong!
Go proud!
Go on!
Go hard or go home!
Let me hear you scream!


Nota: às vezes temos que apreciar os clássicos... mesmo que seja o maluco do Ozzy Osborne, LoL.

10 de março de 2019

Celebrar o meu corpo de Mãe


Qualquer mulher te dirá quando decidires ter filhos, que o teu corpo nunca mais vai ser o mesmo (a não ser que sejas a Carolina Patrocínio, claro). Já faz quase 2 anos que o Príncipe começou como algo microscópico dentro de mim e estávamos a anunciar a gravidez à nossa família. Desde essa altura e ao longo da gravidez devo ter engordado perto de 20 quilos. Mais de um ano e o meu corpo ainda tem marcas e provas da sua existência em mim.
Tenho olheiras que passarem a ser crônicas. As minhas ancas decidiram ter um código postal próprio, toda uma camada adiposa (vulgo gordurinha) na barriga que teima a não querer desaparecer; marcas nos meus flancos que mais parecem listas de um tigre...
A verdade é que tudo nele, tudo no Príncipe, cada dedo, cada membro e até o seu coraçãozinho desenvolveram-se dentro de mim. Este corpo, que quase não reconheço, foi este mesmo corpo que o criou!

Como é que posso estar envergonhada dele?

Vejo muitos dos traços do meu pai e do homem por quem me apaixonei, naquela carinha de bebé e a verdade é que: o meu corpo criou aquela linda criatura.
Infelizmente, nem toda a gente tem esse privilégio. Sim, a minha barriga tem muito mais gordurinhas. Sim, tenho muito mais celulite. Sim, o meu rabo sente muito mais a gravidade. Sim, tenho muitas mais brancas no cabelo. E até as minhas mãos estão a começar a ter rugas... mas a verdade é que são essas mesmas mãos que o meu Príncipe adora segurar em busca de conforto.
Eu não sou de todo a imagem perfeita de uma mulher para a sociedade ou nem sequer como era fisicamente mas o meu perfeito Príncipe vê-me simplesmente por quem eu sou: a mamã.
Ele ama-me mesmo com estes defeitos que coloco em mim própria.

Ele não vê as falhas que a sociedade vê... Ele vê a mãe.