20 de julho de 2019

De volta...


...ao nosso cantinho!

Sim, que isto das férias é tudo muito bonito mas o nosso cantinho é o nosso cantinho, eheheh. O que gostam de fazer mal chegam a casa de férias?

16 de julho de 2019

Cansaço


Quando amigos nossos engravidam e nos pedem conselhos, é o mais natural contar a nossa jornada até ao momento. Foi numa dessas conversas que me apercebi de eu e o Maridão, termos tido a mesma experiência mas com uma interpretação completamente diferente.

Estávamos a falar de cansaço.  Em primeiro lugar, é incrível o que o nosso corpo consegue suportar numa falta de sono severa!
Pois bem, o Maridão disse que nunca se sentiu tão cansado como nas primeiras 2/3 semanas que o Príncipe nasceu. Eu discordei e disse que foi quando o Príncipe tinha mais coisa menos coisa, 9  meses.

Eu explico.

O Maridão diz que aquelas primeiras semanas foram as piores pois de um momento para o outro era preciso dar de mamar de 2 em 2 horas, depois o Príncipe começou com as cólicas e eram horas a tentar acalmá-lo até que ele adormecesse. Do meu ponto de vista discordei pois mesmo com o cansaço do pós-parto, de não ter dormido grande coisa em 48 horas e de me doer músculos que eu não sabia que tinha... não foi o período em que estive mais cansada.

Quando pensei e senti "eu não sabia o que era cansaço até agora", foi por volta dos 9 meses do Príncipe pois por volta dessa altura, por dentes, por pico de crescimento e mais qualquer coisa que a gente com certeza não sabe, o pequenito andava a acordar de 2 em 2 horas feito recém-nascido, para mamar. Porque é que me sentia mais cansada nessa altura e não quando ele era recém-nascido?
Nessa altura, o que era diferente é que já não estava de licença de maternidade e o bebé não sabe quando a mãe está a descansar antes de um dia de trabalho, já para não falar que nos dias que não estava a trabalhar tinha a casa, roupa para tratar. Além de que um recém-nascido e um bebé de 9 meses têm necessidades completamente diferentes... Enquanto que com um bebé recém-nascido conseguia ir descansando durante o dia, com um bebé de 9 meses não tinha essa hipótese pois requer muito mais atenção, quer brincar, quer explorar, o que é super normal.

É mesmo engraçado o facto de juntos na jornada e termos sentimentos diferentes. Agora olhando para trás, se tivesse dado leite artificial, como me aconselharam milhentas vezes, se calhar não tinha sentido aquele cansaço extremo... mas fiz o que eu achava que era o melhor para o Príncipe (devido às alergias dele) e fico mesmo orgulhosa de mim própria!

Talvez como um militar fica orgulhoso quando passa o treino de Forças Especiais... Praticamente a mesma coisa, vá. A verdade é que mal se tenha um bebé, durante muito tempo cansaço vai ser uma palavra familiar, LoL. Não acham?

Quando é que vocês pensaram e sentiram a mítica "eu não sabia o que era cansaço, até agora"?

14 de julho de 2019

30+1



Hoje a vossa Soberana faz 30 anos com um de experiência!

(Que é como quem diz, hoje faz 31 anos, LoL.)

10 de julho de 2019

Bodas de Papel



Hoje faz um ano que nos casamos... Por mais cliché que vos pode parecer, hoje faz um ano que me casei com o meu melhor amigo!

4 de julho de 2019

Finalmente...


...férias, Portugal e matar saudades!


Nota: note-se que quando digo matar saudades claro que implica matar saudades da família e amigos mas inclui também matar saudades de muitos miminhos gastronómicos, LoL.

2 de julho de 2019

Body Positivity?


Ora bem, na altura que isto saiu, eu não disse nada mas... Não sei se se recordam desta capa de revista, que na altura deu bastante que falar. Portanto, quando saiu esta capa, as pessoas aplaudiram pois promovia "body positivity". Como já tinha falado aqui no Reino, eu sou totalmente contra a quantidade indecente de photoshop que o pessoal usa nas revistas ou simplesmente em ensaios fotográficos. Contribuindo assim para ideais de beleza completamente irreais. 

Contudo, eu não sei se concordo com esta capa.

Acho fantástico o facto da modelo se sentir bem no seu corpo mas não acho que contribua para a body positivity. Para mim, os ideais de beleza devem celebrar todos os corpos... saudáveis. O que quero dizer com isto? É que tal como as modelos anoréticas não são exemplo para ninguém, uma modelo obesa mórbida também não o deve ser.
Na minha modesta opinião, devemos promover estilos de vida saudáveis e isso não significa ter modelos em que nós conseguimos contar as costelas mas sim corpos "reais". Por exemplo, adoro as consideradas modelos plus size, com aquelas curvinhas invejáveis e aprecio muito as campanhas da Dove, que mostram corpos de mulheres, todas elas diferentes, saudáveis e sem photoshop... 

Será que me fiz entender? Eu não sou contra modelos plus size nem nada do género mas esta capa e as outras com as modelos anoréticas parecem-me um bocado o 8 e o 80. O que é que vocês acham sobre isto?


Nota: ia fazer este post em conjunto com uma modelo plus size, a lindíssima menina do Vestígios de um Batom, para o post ter ambos os lados mas infelizmente ela esteve muito ocupada e não conseguimos a colaboração. Talvez para uma próxima...

30 de junho de 2019

Kurt Seyit & Sura


Ora bem, tenho que vos dar um pouco de contexto para o facto de ter visto este drama turco.

Estão a ver quando vêem uma série no Netflix e depois aparece-vos recomendações? Pois bem, esta série não me apareceu como recomendação a mim mas à minha mãe. Que depois procedeu a toda uma evangelização para que eu visse pois estava muito boa. Devido a ter visto essa série, em seguida, o Netflix dela começou a mostrar mais séries e filmes turcos... o que resultou na minha mãe já saber palavras em turco e outras coisas que vou mencionando ao longo do post, LoL. Cena mais aleatória de sempre, eu sei. 

Portanto, depois de tanto me chatear, o que realmente me fez interessar em ver a série foi o facto da minha mãe me dizer que aquilo foi baseado em factos reais e que existe o livro (que ela leu logo a seguir a ter acabado todos os episódios) que foi escrito por uma neta de uma das personagens principais. Eu quando leio "baseado em factos reais" fico logo lançada! 

Aliás eu para mim, filmes de terror são mesmo aqueles que dizem isso logo no começo, LoL. Mas estou a divagar...

Então a série primeiramente passa-se na Rússia no começo da Primeira Guerra Mundial (o que já por si é interessante) e o foco são duas pessoas: Seyit, um oficial proeminente do próprio Tsar; e Sura, uma jovem nobre russa. Só fico um bocado chateada pois, referido pela minha mãe, os actores não dão a percepção da diferença de idades. Este casal quando se conheceu pela primeira vez num baile, ela tinha 15 e ele 24 anos. Por isso, torna a relação e certas atitudes dela muito mais claras.
Começa com uma visão da opulência da nobreza na Rússia, os bailes, os jantares, etc. As diferenças culturais são fantasticamente demonstradas pois a história leva-nos a diferentes culturas.

Eu ao longo da série e fui apercebendo de uma coisa e gostava de reflectir com vocês. Reparei que nesta  série não há cenas de sexo, de todo. Não digo tipo estilo Game of Thrones mas todos-cobertinhos-e-quietinhos-mas-é-implícito-que-houve-truqui-truqui tipo de cena. Nem isso! Mal existem beijos... Ao qual eu primeiro pensei: "então não há um ram-ram, nem nada?" Depois pensei: há tanta sexualidade "gratuita" em séries que são consideradas de horário nobre que uma pessoa até estranha quando não vê. Não estraga de todo a série, aliás tem história para dar e vender por isso não precisa nada disso, contudo acho que slow-motions e reacções exageradas acabam por ser a cena dos turcos de encher chouriço, LoL.
O que a minha mãe me informou foi o facto de que na Turquia eles têm uma organização tipo a nossa antiga PIDE, que controla as cenas de sexo e afins nas séries e filmes. Ou seja, um actor que dê um beijinho leva uma multa, daí não haver grandes beijocas... Eu quando soube disto, fiquei tipo: woooow! Mas depois de pensar um bocado, não sei se é bom ou mau. O que acham?

Isto foi alto divagar, LoL. Só que acho que fazia sentido também comentar isto com vocês pois lá está, é uma cultura completamente diferente a produzir esta série, isso nota-se e é super giro ir vendo as diferenças. 

Quanto à história em si da série... É assim, é fixe, é super "faca e alguidar" mas a minha mãe diz que o drama turco é todo assim, LoL. Portanto, se isso é a vossa cena, vejam esta série pois de facto é bastante envolvente e nos faz questionar muita coisa do que as pessoas sofrem na guerra, tanto soldados, as suas famílias e como os meros inocentes.
Aconselho também a lerem o livro, sendo mesmo a história verdadeira, enquanto que a série pegou na história verdadeira e colocou lá elementos e intrigas só para criar mais drama, LoL.

O que acharam desta série? Ficaram curiosos? Já viram alguma série turca ou é só a maluquinha da minha mãe? LoL.