31 de outubro de 2010

30 de outubro de 2010

Hello, my name isn't...

A pedido de alguns leitores, vou colocar alguns dos nomes que às vezes me chamam ou porque não devem gostar de Corina ou então é demasiado difícil de dizer e então inventam como se não houvesse amanhã.

Já me chamaram:

  • Córina
  • Carina
  • Catarina
  • Carolina
  • Carla
  • Corette
  • Sabrina
  • Isabel
  • Cortina
  • Carlota
  • Belinha
  • Corvina
  • Corine
  • Corine de Farme


E tenho a sensação que esta lista não vai acabar...

29 de outubro de 2010

De que tem medo?

Diz-se que o mais importante não é saber o motivo do nosso medo, mas sim saber identificá-lo. De alguns deles temos consciência, de outros não. Afinal, nascemos apenas com dois tipos de medo: o do barulho e o de cair. Todos os outros são adquiridos, a sociedade, a cultura judaico-cristã, encarrega-se disso: "Portaste-te mal, assim já não gosto de ti", só para dar um exemplo. Crescemos a acreditar que temos de corresponder às expectativas dos outros, pois apenas assim teremos amor e aprovação dos mesmos. Como podemos então exorcizar esses fantasmas?
Mais do que teorias, aprenda a enfrentar os seus medos.
  • Identificar os medos - por vezes perdemos tempo a pensar porque temos medo. A solução começa a partir do momento em que identificamos o que nos assusta. Quase todos os medos têm na sua essência a sensação de falta de controlo, a insegurança, o risco. É necessário filtrar esse medo. Será real? Ou mero fruta da imaginação, um reflexo de pensamentos negativos? Só quando estiver perante um acontecimento real é que poderá agir e quanto mais conhecimento tiver de si mesma mais ferramentas tem ao seu dispor para lutar. Desse conhecimento faz parte, obviamente, a superação de medos. Quantos já ultrapassou?
  • Medo de mudar - o desconhecido assusta. A chamada zona de conforto é uma espécie de limbo em que nos prendemos. Acomodamo-nos. Não lhe parece redutor demais? Não acredita que merece melhor? A vida é uma dádiva. Única. O risco da mudança é uma oportunidade. As consequências sejam elas boas ou más são ensinamentos.
  • Medo de falhar - este é um daqueles medos que nos pode paralisar. Queremos fazer tudo certo, temos medo de arriscar, porque tememos falhar. Falhar com o quê? Com as expectativas que nós e outros criaram. De não receber a aprovação dos outros. E assim sermos julgados. Se falhar? Falhou. Faz parte do nosso processo de aprendizagem. Se nunca fizermos, se não arriscarmos nunca saberemos, nunca crescemos. O importante é dissipar o medo de falhar seja no que for, por isso não vale a pena criar cenários, inventar desfechos fantasmagóricos, nunca ver o copo meio vazio, mas sempre meio cheio, caso contrário paralisamos e não vivemos.
  • Medo da solidão - prende-se igualmente com o medo de ser abandonada. Quando estamos a crescer dizem-nos com alguma frequência "Portaste-te mal. Não gosto de ti." Portanto para ter a aprovação, o amor dessas pessoas, temos de fazer o que esperam de nós. Pior é que trazemos isso na bagagem. E muitas vezes nos relacionamentos agimos de igual modo. Sermos nós mesmos, não ter de dizer sim quando se quer dizer não mostra o que somos, e quem gostar, quem nos aprovar, aprova pelo o que realmente somos.
  • Medo de ficar sem dinheiro - o dinheiro dá alguma sensação de estabilidade. É óbvio que numa sociedade de consumo como a nossa ele é um poder. Mas não é o responsável pela nossa felicidade. As coisas mais simples, as maiores gargalhadas que já dei, o que me causou mais felicidade, curiosamente, nunca envolveu dinheiro. A falta de segurança, de controlo, de conforto que julgamos que o dinheiro assegura é a causa do medo de ficarmos numa situação financeira complicada. Quem já passou por isso sabe como enfrentar esse medo, como o ultrapassar.
  • Medo de perder a saúde - este é um dos medos mais comuns. É óbvio que sem saúde tudo se complica e o que era simples passa a muito complexo. Mas a verdade é que todos os dias fazemos coisas para um dia ficarmos sem saúde. Ou pelo menos não fazemos tanto quanto poderíamos fazer. Fumamos, bebemos álcool, uma má alimentação, pouco exercício, embebemos todos os poros em stress. Contrariar, mudar alguns hábitos de vida podem, certamente, ajudar a eliminar esse fantasma.
- José Micard Teixeira

28 de outubro de 2010

Ódio de estimação n.º 7


Odeio (profundamente) Baileys.


Nem consigo dar uma beijoca ao meu Mais-que-Tudo depois de ele beber aquilo... É mesmo horrível.

27 de outubro de 2010

Cromos


Finalmente, todas as nossas memórias, das mais ridículas às mais sublimes, analisadas à lupa em todo o seu esplendor e detalhe. Do criador de "O Homem Que Mordeu o Cão", eis A Caderneta de Cromos - uma verdadeira enciclopédia radiofónica humorística de tudo o que nos fez espernear de prazer quando tínhamos genuíno vigor nas pernas para as fazer espernear. E porque é que a palavra "titilar" não é mais usada no dia-a-dia? As respostas a tudo - e talvez ao próprio sentido da vida! - de 2ª à 6ª feira, às 8h45 e 9h45 com Nuno Markl.
Fonte: Rádio Comercial

Que eu já não dispenso ouvir! Enquanto lá vou eu triste como tudo de manhãzinha para a Escolinha, ouço sempre que posso o primeiro cromo do dia. E acreditem, deixa-me logo mais bem-disposta! No entanto, tenho uma crítica a fazer e para quem costuma ouvir os cromos no auto-rádio, sabe perfeitamente o que eu estou a falar... Ouvir os cromos no carro leva a que as outras pessoas pensem que somos maluquinhos, no sentido literal da palavra. Pensem comigo, se vissem uma pessoa a rir-se, sozinha, do nada, dentro de um carro, o que é que vocês pensavam? Pois claro, que a pessoa era mas é maluquinha de todo!

O Nuno Markl deveria ponderar sobre este assunto...

26 de outubro de 2010

Hello, my name is...


Toda a santa gente que me conhece ou ouve sequer o meu nome pela primeira vez pergunta sempre: que raio de nome é esse?!
Então lembrei-me e que tal esclarecer o pessoal de uma vez por todas? Boa! (nada disso, apenas curti o tema para um post, LoL)
Normalmente pensam logo "emigra". Nada disso. O meu nome é bem português, apenas fora do vulgar. Aliás, o pessoal tende a pensar logo nesse tipo de coisas quando aparece um nome que não seja Maria ou José. Já para não falar de que não sabem ler português, ou seja, dizer o meu nome correctamente! Realmente, já estava mais que na altura de explicar ao pessoal de como se diz o meu nome...

Corina, lê-se Co-rí-na. E não Có-ri-na, como muita gente tende a dizer.

Ora bem, como eu estava a dizer, o meu nome é bem português e como qualquer bom tuga, tenho um nome vindo da bíblia (sim, por incrível que possa parecer o meu nome tem uma história, ou como acham que os meus papás se iam lembrar dum nome assim?).
Por isso o meu nome tem origem do latim sendo seu o significado literal: "menina". E quanto à Bíblia, a história é durante o domínio de Nero, sobre um casal de gladiadores, Corina e Caleb. Como sabem Nero era um imperador implacável e cruel, que um dia na altura da perseguição aos cristãos, reuniu um grupo de 20 crianças cristãs e lançou-as, como divertimento, para a arena aos leões esfomeados, vestidas com peles de cordeiros! Corina e Caleb (não tendo filhos) lançaram-se para arena para as proteger. Conseguiram salvar quase todas as crianças, contudo ambos morreram...

25 de outubro de 2010

23 de outubro de 2010

Wishlist n.º 16


Uma panóplia de quadros de Luis Royo. Isso é que era!


Nota: pode ser que dê ideias ao Mais-que-Tudo para uma prenda de Natal. Eheheh.

22 de outubro de 2010

A vida académica

Ainda bem que a semana já acabou porque eu estou de rastos... Durante esta semana teve-se que organizar de tudo e o trabalho de vigiar praxes também não está a ficar nada fácil. LoL.

No entanto, o ponto principal e que eu estava à espera com bastante ansiedade, era o dia da Praxe de Veteranos, que se realiza desde sempre na UTAD. E vocês perguntam, o que é que consiste a Praxe de Veteranos? Consiste em todos os caloiros da universidade, de todos os cursos serem entregues aos Veteranos por um dia, onde fazemos brincadeiras, jantamos com eles, conhecemos e, o principal, realiza-se o peddy-paper dos Veteranos. Que é basicamente eles andarem a correr pela cidade para a conhecerem...
Apesar de os miúdos acabarem cansados, acabam conhecendo colegas de outros cursos, interagindo entre si, divertindo-se! E não são só eles que ficam cansados. Eu desde já digo que quem foi praxada fui eu e não eles! LoL.

A seguir ao jantar com os caloiros, e antes disso competir para quem entregava mais senhas (e eu ganhei, óbvio), realizou-se uma outra tradição da UTAD: a procissão das velas. Imaginem o cenário, organizou-se o pessoal todo numa escadaria pouco iluminada, ou seja, mais ou menos 500 caloiros, cada um com a sua vela. Teve-se mesmo que tirar uma foto (e espero conseguir arranjá-la para a mostrar) porque as pessoas que estavam a ver, todas se arrepiaram. Estava lindo!!!

Mais lindo ainda foi, com as filas de caloiros com velas, serpentear a marginal da cidade (que já por si é um pouco escura) até à Capela Nova, onde com os esforços do Conselho de Veteranos, a Vibratuna e a AAUTAD juntou-se o útil ao agradável.

O Tunas à Capela foi uma ideia já em si fantástica, porém com os esforços de se realizar no dia da Praxe de Veteranos, conseguimos, em procissão, levar os caloiros todos para lá para poderem ver o que é realmente o espírito académico. E que melhor exemplo que a actuação das tunas académicas de Vila Real? Nada melhor!
Devo dizer ainda que a actuação da IntuboTuna (a tuna académica da minha Escolinha) foi simplesmente brutal!!! Claro, tinham que vir os Enfermeiros animar a festa! LoL. Parabéns a todos da IntuboTuna (e ao IntuboGato) pela actuação fantástica e brutalíssima!

Conclusão: caloiros felizes, todos com um verdadeiro espírito académico, e a Corina cansadinha...

21 de outubro de 2010

Chuck Norris n.º 4

O título original para Star Wars era “Skywalker: Texas Ranger”, starring Chuck Norris, ele recusou o papel porque se ele usasse “a força”, Darth Vader falaria fino para o resto da vida.

20 de outubro de 2010

A bússola e o mapa dos sem medo

Como deixar de ter medo:
  • Identificar o que causa medo - perceber se é um medo real ou fruto da nossa fértil imaginação.
  • Aprender sobre o que se tem medo - se, por exemplo, tiver medo da solidão invista na sua auto-estima, no seu auto-conhecimento, sairá mais forte e terá ferramentas para lutar contra esse sentimento, caso se venha a verificar.
  • Visualize - se algo a assusta tente visualizar-se nessa situação. Experimentar as sensações que isso lhe causa. Verá que não morre e terá a noção de como poderá agir para afastar esse fantasma.
  • Partilhe o seu medo - quando falamos aos outros sobre os nossos medos eles deixam de ser apenas nossos e mais do que isso perdem força e acabamos por nos distanciar deles.
  • Desenvolva diálogos mentais positivos - o que pensamos, sobretudo se for algo negativo, faz-nos sentir mal e negativos e agimos influenciados por isso mesmo. Converse consigo própria, pergunte-se porque tem medo de ser rejeitada, ou de perder o emprego, por exemplo, e analise as respostas, encontre as soluções.
  • Filtre o seu medo por etapas - ou seja, olhe para árvore em vez de ter de encarar logo toda a floresta. De degrau em degrau a subida torna-se mais fácil. Se tem medo de mudar, trace compromissos, etapas, objectivos de curto prazo, até chegar à meta.
  • Liberte-se - viver em função de alguns medos é o mesmo que estar limitado. A maior parte dos cenários negativos, as más consequências, acabam por não se revelar. Não atraia energias negativas. Acreditar e empreender são atitudes que deverá ter em conta.
- José Micard Teixeira

19 de outubro de 2010

Ódio de estimação n.º 6

O homem até pode ser boa pessoas mas...

Eu odeio o Malato.


É uma daquelas personagens que não suporto ver na TV. Não sei bem explicar porquê mas o homem é um bronco e parolo de primeira ordem.

17 de outubro de 2010

Lentes de contacto

A pedido de várias famílias, vou postar sobre a minha transição/adaptação no que toca às lentes de contacto, porque realmente foi uma aventura.

O processo em si começou no verão, estava eu em exames, quando fui (quase arrastada pela orelha) para o Oftalmologista para experimentar as lentes, para ver se me adaptava, se podia usar e regular a graduação das mesmas... Resumindo, uma tarde perdida para aquilo.
Quando me sentei na cadeira, para a mulherzinha me colocar as lentes pela primeira vez, toda uma taquicardia se instalou em mim. Era tremores, era suores frios, eu sei lá! Mas a menina acalmou-me e disse-me que era fácil... Fácil, o caraças!!! Esteve quase 30 minutos a tentar enfiar-me aquilo nos olhos, até que me chateio e tento meter eu... Com sucesso!
Pronto, lentes postas e tal. Foi estranho mas surpreendentemente confortável, ou seja, adaptei-me bastante bem. Então o médico manda-me para casa com as lentes, só que a menina simpática, que ensinava as coisas sobre as lentes de contacto, esqueceu-se duma coisa: de me ensinar a tirá-las! Parece estúpido mas para quem meter lentes já era um desafio, então tirá-las era verdadeiros Jogos Olímpicos!
Mas ok, tive sorte em ter o meu Mais-que-Tudo ao meu lado a apoiar-me e também com conhecimento de causa (também aderiu há uns bons anos às lentezinhas). Ele deu-me verdadeiros workshops sobre como tirar lentes e, acreditem, eu tentava, contudo metia-me muita mas mesmo muita confusão. Resumindo, era o meu Mais-que-Tudo que ia a minha casa de propósito, fosse a que hora fosse, para me tirar as lentes (se isto não é uma prova de amor, não sei o que será... LoL). É vergonhoso. Eu sei! Toda a gente gozava comigo, mas eu sozinha não conseguia mesmo tirá-las e ele em 5 minutos conseguia! Vá, 5 minutos quando eu não tinha ataques de riso, porque para o meu Mais-que-Tudo me tirar as lentes, eu na WC, tinha que estar literalmente encostada à esquina do "polivã" (para não ter hipótese de fuga e de mexer a cabeça). Só que muitas vezes do nervosismo, dava-me os ataques de riso.
Depois, quando acabaram os exames e estava oficialmente de férias, o meu Mais-que-Tudo fez-me um ultimato: o calvário de todos os dias ele ir-me tirar as lentes de contacto, tinha que acabar!
Portanto, que remédio tive eu de me desenrascar e tratar de começar a tirar as lentes sozinha. Vá admito, quando tentei, apesar de me meter confusão, consegui sem hesitação (e descobri que o problema era as minhas unhas de 15 centímetros, que faziam impressão, por isso tive que as cortar). Por isso, devem estar a imaginar a festa que fiz por ter conseguido. Gritei aos 7 ventos a dizer que tinha conseguido e sozinha!

Passado uma temporada tive que ir novamente ao oftalmologista para uma consulta de follow-up. Quando me sentei lá na cadeirinha do médico, a pensar que deveria ser honesta com ele, que até é um médico em condições. Então quando ele me perguntou:
- Como é que te estás a adaptar às lentes?
- Tenho que ser sincera consigo... Eu fiz batota.
- Batota?! Fizeste batota como?
- Durante uns tempos era o meu namorado que me tirava as lentes porque eu simplesmente não conseguia.
Mal disse aquilo, o médico ficou muito sério a olhar para mim e depois responde-me com um sorriso de gozo:
- Tu queres é mimo!
LoL. Tudo me gozou! Até o médico!!! Mas pronto, lá me adaptei e já aderi a 100% porque realmente é muito prático, confortável e o pessoal até me tem dito que fico bem sem os óculinhos.

O que é que vocês acham? Fico melhor com ou sem óculos?

16 de outubro de 2010

Cadé a vuvuzela?



Obviamente que isto foi feito antes ou durante o mundial mas só me deparei com o vídeo recentemente e quase que chorei de tanto rir!
Vejam e estejam atentos à tradução do Vasco Palmeirim.

15 de outubro de 2010

Chuck Norris n.º 3


Camões não tinha uma das vistas, porque uma vez numa conversa com Chuck Norris levou com um perdigoto no olho.

14 de outubro de 2010

Gumbusters



Estava eu muito descansadinha a jantar no outro dia e vejo a notícia a falar dos Gumbusters. Que são basicamente pessoas que com máquinas especiais, vão para as ruas tirar as pastilhas elásticas que estão no chão.

Um pensamento interessante: cada pastilha custa 5 a 10 cêntimos, no entanto, para as remover cada uma custa 35 cêntimos. E já se removeram 750 mil pastilhas elásticas, somente das ruas de Lisboa! Estão a ver a quantia ridícula de dinheiro, não estão? Então porque não colocam uma espécie de multa para quem atira as pastilhas para o chão ou coisa do género? Porque não? Porque não existe policiamento suficiente... Mas era interessante, não era? Dava-se emprego a mais pessoas, mantínhamos as nossas (e quando digo nossas é pelo país fora e não apenas por Lisboa, como é costume) ruas limpas e incutíamos um pouco mais de civismo nas pessoas.

Vá, Corina... Não inventes, mas é!

13 de outubro de 2010

Wishlist n.º 15



Até faz água na boca, só de olhar... Apetecia-me comer um pacote inteiro duma vez só e não me sentir culpada logo a seguir. LoL.

12 de outubro de 2010

UTAD: luto académico


As quatro vítimas mortais do violento acidente de sábado de manhã, no Itinerário Principal n.º 4 (IP4), perto de Vila Real, tinham idades compreendidas entre os 23 e os 40 anos. Três eram estudantes polacos, integrados na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) ao abrigo dos programas de mobilidade Erasmus.
Fonte: Público

A Universidade de Vila Real vai realizar um serviço religioso, esta semana, em homenagem aos três estudantes Erasmus vítimas do acidente de viação, proibindo também as praxes, durante dois dias, como forma de luto. Os polacos Edyta Rozanska, Monika Rosinska e Maciej Hussak, com idades entre os 21 e os 24 anos, que estudavam Desporto na UTAD, integrados no programa Erasmus, perderam a vida no IP4.
O pró-reitor para o Desenvolvimento e Internacionalização da UTAD, António Silva, referiu que a Universidade vai ainda realizar um serviço religioso em homenagem aos estudantes.

11 de outubro de 2010

Ódio de estimação n.º 5


Odeio o Benfica.

Sou uma anti-benfiquista assumida (mas tenho fairplay, atenção...). LoL.

10 de outubro de 2010

"Corina"


Nota: querem saber uma coisa espectacular? A data desta mensagem é 10 do 10 de 2010 e a hora é 10:10. LoL.

9 de outubro de 2010

Chuck Norris n.º 2


Quando os Portugueses partiram para os Descobrimentos, na verdade foi para fugir do Chuck Norris.


Nota: Portugal ganhou tranquilamente... LoL.

8 de outubro de 2010

O que se aprende...

O que se aprende por ir às aulas... Na minha Escolinha, as aulas do 4º ano chegam a ser bastante debatidas, devido ao teor das unidades curriculares e foi precisamente numa aula de G.A.S. (diga-se de passagem, um nome brutal para uma cadeira) que a conversa se direccionou para certos problemas no que toca ás alterações que nós (seres humanos) provocamos no meio ambiente e que temos que mudar o quanto antes.Uma delas é o facto do Estrogénio não ser filtrado devidamente pelas centrais de tratamento de águas. Isto porque o nosso corpo também não o filtra, excretando-o assim pela urina.Então digo eu, quase em pânico: "Ora então, o facto de eu tomar a pílula faz com que aumente a população de peixes paneleiros?!"De cada vez que tomarem a pílula, pensem que estão a mudar a orientação sexual de muitos peixinhos inocentes!Nota: Ok, eu estou a brincar mas isto é de facto um problema sério. Pois, pensem bem, para onde é que os peixes vão a seguir? Pois é, para a barriguinha do pessoal...
"Se vocês ouvirem uma voz do Além... é a minha!" by C.G.



O que se aprende por ir a Fóruns de Investigação Farmacológica... A nossa alimentação tem de ser basicamente frutos secos (de preferência: nozes), um actimel, um danacol e um compal vital... por dia! Mai' nada. Ah! E temos que trocar de águas regularmente (não, não é uma piada estúpida)...
"Correcção de genes genéticos..." by R.R.


Nota da nota: e como não podia faltar as belas das gaffes dos nossos queridos professores.

7 de outubro de 2010

I wish you the best with a... Fuck you!



Ok, realmente não se adequa de todo (nem de longe nem de perto) ao estilo que ouço, no entanto, ouvi pela primeira vez esta música na rádio (que ouço sempre quando estou no carro) e achei um piadão!
Dei por mim a cantarolar Fuck You enquanto conduzia. LoL. Deixou-me verdadeiramente bem disposta! E a vocês não deixava? Se pudessem dizer uns Fuck You's ao pessoal que vos lixa a cabeça e o coração? Digam lá a verdade, era fixe, não era?

6 de outubro de 2010

Wishlist n.º 14


Já faz parte da minha wishlist há bastante tempo... Ir ao Estádio do Dragão ver um jogo do grandioso e mítico Porto (e se não fosse pedir muito, contra o SLB)! E a todos aqueles que disserem mal deste clube fabuloso: a dor de cotovelo cura-se na farmácia! LoL

5 de outubro de 2010

A moda do selo



Está decidido! Vou aderir à moda dos selinhos. Caso não conheçam é uma coisinha muito fofa que tem algumas regras, coisa simples.

Regra n.º1: postar o selo, dizer o nome do blogue de onde foi oferecido e comentar sobre o mesmo.

Regra n.º2: responder, com sinceridade, à pergunta… Como seria o teu reino perfeito?

Regra n.º3: oferecer o selo a outros reinos fantásticos!


4 de outubro de 2010

Engripar

Loooooooonge de mim culpar alguém mas o meu Mais-que-Tudo na semana passada andava bastante engripado, todo ele era ranhoca, era tosse, era lagrimazinha no olho, eu sei lá! Depois mal chega o fim-de-semana, quem é que fica toda ranhoca e tal? Pois é, a je.

Acho que o Mais-que-Tudo gosta tanto de partilhar as coisas comigo que até partilha as constipações... O pior é que ele é tão forte, que é preciso um viruzão para o atacar como deve ser, em comparação à minha pessoa que qualquer viruzeco me deixa com o nariz a pingar. E como ele me contagiou seria normal de esperar que ficasse no mínimo de cama. (Tenho toda uma faceta melodramática que vocês desconhecem, eheheheh)
Bem, foi mesmo isso que aconteceu. Longe de mim culpá-lo (malandreco, pegou-me o raio da constipação) mas este fim-de-semana foi repleto de ranhos, tosse, febre e vá-se lá saber que mais... Mas não se apoquentem que já estou quase, quase restabelecida! (Não graças ao menino que se fartou de gozar comigo, a dizer que sou uma mariquinhas, LoL)

Mais-que-Tudo eu também gosto muito de ti mas não precisas de partilhar as tuas constipações comigo...

2 de outubro de 2010

O topo e o caminho


Acho que muitas pessoas confundem o sucesso com a felicidade e acreditam que uma coisa vai automaticamente trazer-lhes a outra. Mas atingir objectivos não traz por si só felicidade. Claro que ter objectivos é importante, porque nos ajuda a ter um sentido para a vida. Mas a felicidade não é chegar ao topo da montanha, é o caminho até lá chegar!
- Tal Ben-Shahar

1 de outubro de 2010

Chuck Norris n.º 1


Andava a pensar no que é que fazia falta a este blog e cheguei à conclusão de que falta... o Chuck Norris!
Cortesia do Mais-que-Tudo. Obrigada. Eheheheh.


A Grande Muralha da China foi originalmente construída para impedir a entrada de Chuck Norris naquele país. Ela falhou miseravelmente.