22 de setembro de 2018

O bicho-papão da gravidez



Numa conversa entre amigas, umas já mães e outras que não, começámos a falar sobre o bicho-papão da gravidez: o parto. Sim porque a certa altura a história do nosso parto se torna a nossa história de guerra, LoL.
Então após algumas partilhas, uma das meninas sem filhos diz que tem imenso medo do parto e do que vai doer. Isso fez-me pensar um bocado e fazer uma retrospectiva de como é que me sentia...

Antes sequer de engravidar, muito sinceramente, não tinha grande receio do parto. E vocês pensam "olha ela a fazer-se de forte" mas não, acho que tem muito haver com o facto de que presenciei muitos partos (e cesarianas), estudei a mecânica da coisa e por isso talvez já estava "preparada" psicologicamente para tal evento. 
Contudo, por mais preparação que uma mulher tenha, uma coisa tem que se capacitar e muito honestamente, era este o meu mantra: no parto, tudo pode acontecer.
Podemos assistir a mil aulas de preparação para o parto, podemos ver imensos vídeos, podemos fazer horas de visualização, podemos até estudar inteiras enciclopédias, porém a verdade é que cada parto é um parto.
Como já vos tinha dito, não tinha intenções heróicas e por isso, entre outras coisas, tive uma epidural. Portanto, quanto à dor, estive 16 horas em trabalho de parto e 8 horas desse tempo tive com uma epidural, por isso não me posso queixar, LoL.
Porém, com ou sem epidural, as mamãs poderão concordar com uma coisa: não foi o parto que custou (salvo raras e infelizes excepções). Mais uma vez quero relembrar que cada parto é diferente e há partos que podem ser bastante traumáticos. Mas entre amigas foi isso que concordámos. Não foi o parto que custou, uma disse que o que custou foi a recuperação física, outra a recuperação mental, outra que foi a gravidez em si que custou...

Isto para dizer o quê?
Futuras mamãs, não se prendam à ansiedade do parto. Têm é que ir com a atitude de que têm que deitar aquele ser cá para fora de uma maneira ou de outra.
É normal ter medo e é totalmente compreensível pois se fosse fácil, os homens pariam (epá, desculpem mas tinha que ser, LoL). O que não é normal é a fantasia que muitas mulheres têm do parto. De que vai ser maravilhoso, de pernoca aberta e que o bebé vai praticamente dançar dali para fora... Se for de parto normal, chegam ao final literalmente com sangue, suor e lágrimas. E se for de cesariana, nem sequer pensem que vão pela via mais fácil pois uma cesariana não deixa de ser uma grande cirurgia abdominal e a recuperação pode ser bem mais difícil. 

Não se prendam ao ponto de pensarem que não são capazes ou que não vão conseguir. Vocês são capazes de muito mais do que pensam, especialmente o vosso corpo que criou uma vida em 9 meses e que vai libertar essa vida seja de parto normal ou cesariana.

O parto, na verdade, é apenas um momento... O vosso bebé, é um amor tatuado na alma, é eterno!

20 de setembro de 2018

One Punch Man



Devido ao commute vi o tão falado anime One Punch Man e tenho a dizer-vos não fiquei desiludida! É um anime hilariante e... serei a única a achar o Genos super sexy? LoL
Se por acaso gostam de séries com super-heróis mas que nem sempre estão para aí virados, esta série é ideal para vocês!

Contudo, cheguei ao final da primeira temporada e fiquei assim um bocadinho chateada pois aquilo não correu como eu queria... ele é bem mais altruísta que preguiçoso, LoL.

E vocês? Já viram ou conhecem?

18 de setembro de 2018

Plano fitnesseiro: NEAT


Ora bem, antes de começar a falar do meu plano de exercícios, venho falar-vos de uma coisa que muita gente esquece mas que tem uma grande parte na perda de peso: NEAT.
Quem segue o Reino no Instagram, já viu nas stories eu referir várias vezes o NEAT... E o que é exactamente? Significa Non Exercise Activity Thermogenesis, que é basicamente exercício que não é exercício, LoL. 

A melhor explicação para este termo foi dada pelo Diren Kartal (bff ali do nosso já conhecido James Smith), do qual eu deixo o vídeo em baixo que é um dos exemplos de NEAT, sim ele está a exercer EAT (Exercise-associated thermogenesis), caminhar na passadeira mas além da actividade física, está a dançar ao mesmo tempo adicionando um NEAT, aumentando assim o gasto de exergia/calorias. Contudo a parte importante não se fica apenas em adicionar uns dance moves a qualquer exercício que faças, LoL. A parte mesmo importante do NEAT é uma mudança de estilo de vida, como por exemplo, em vez de ir de elevador, usar as escadas; em vez de usar o carro, ir a pé; enquanto se está sentado ou deitado no sofá fazer algum movimento com as pernas ou até mesmo exercício de braços, etc etc.
Acho que já estão a perceber... e quando é que se nota mesmo quando adicionamos o NEAT ao nosso dia-a-dia? Principalmente aquele pessoal com um fitbit ou app no telemóvel parecida, nota um acréscimo ao número de passos assim para o abismal! 

Experimentei e prometo-vos que, juntamente com a dieta, vão ver resultados...


16 de setembro de 2018

Commute




Aqui no UK é muito comum se falar no commute, isto é, a viagem casa-trabalho e trabalho-casa. O que também é muito normal aqui é o pessoal aproveitar essa mesma viagem quando vão trabalhar para ler, ouvir podcasts, ver séries ou filmes... E desde que nos mudámos para o nosso número 2 e que voltei ao trabalho (que isso é um post ainda a escrever) que o meu commute ficou 20 a 30 minutos, então decidi também aproveitar esse bocadinho para poder colocar algumas coisas em dia da crónica Embrace your Geekness, nomeadamente os animes!
Há uns tempos fiz um post sobre isso no facebook do Reino e não fiquei desiludida, tive imensas sugestões dos meus queridos súbditos... por isso não se admirem que irão começar a aparecer bem mais reviews de animes aqui pelo blog, LoL.

E vocês? Seguem algum anime? Ou não é o vosso estilo?

14 de setembro de 2018

Does my bum look big in this?


Acho incrível que o Príncipe já tenha quase 1 ano e ainda não tenha feito um post sobre fraldas, LoL.
Em primeiro lugar, pessoal que vai ter filhos, mães e pais de primeira viagem, que pensa que não percebem nada de mudar fraldas... não se apoquentem que ao final da primeira semana já são profissionais!
Em segundo lugar, tendo em conta que o Príncipe já é um moço viajado, gostava de dizer que a discrepância de preço das fraldas de Portugal e o UK, é assim  para o astronómica.

No UK, a primeira coisa que me disseram sobre fraldas foi que iria escolher entre as Huggies e as Pampers, pois eram as melhores marcas. Não conhecendo ambas as marcas, escolhi as Pampers, que comprava um pack de 96 fraldas por 8 a 11 libras. Estas fraldas foram fantásticas no sentido em que para dois pais inexperientes, a linha indicadora era brutal pois mostrava logo na fralda se tinha alguma coisa. Contudo, reparei logo desde início que o Príncipe dava logo sinal mal fizesse um xixizinho, quer estivesse acordado ou a dormir. Pensávamos: o menino é tão limpinho que dava logo sinal. 
Até experimentarmos as benditas e maravilhosas fraldas do Aldi! Não me perguntem tecnologias da fralda mas as Pampers têm uma espécie de rede e as do Aldi não, parece ser tecido. Isto em termos práticos resulta no quê? Basicamente quando experimentámos um pacote de fraldas do Aldi, o Príncipe deixou de acordar porque tinha feito um xixizinho e as fraldas duravam bem mais, pois mesmo com a fralda saturada de urina, o rabinho ficava sempre sequinho! Como devem imaginar nós ficámos do género: "what sorcery is this?" Para melhorar a situação, as fraldas do Aldi são um pack de 96 a custar apenas 4 libras e meia! 

Portanto, no UK estávamos mais que encantados com as fraldas do Aldi que até chegavam a durar uma noite inteira, ou seja, 12 horas e tenho-vos a dizer que o Príncipe nunca teve o rabinho assado... agora e em Portugal?

Ainda levei uma quantidade generosa de fraldas do Aldi na mala pois podia usá-las durante a noite para não ter que mudar o Príncipe (pessoal com filhos, eu explico: não mudar a fralda significa não os despertar e não os despertar significa adormecerem logo e significa mais soninho para nós onde todos os segundos contam, LoL), então em Portugal lá fomos ao supermercado e pensámos: ora bem a melhor marca em Portugal deve ser a Dodot. E foi essa mesma marca que comprámos... um pack de 30 fraldas por 7 euros. 
Tenho a dizer-vos que as fraldas da Pampers e da Dodot são iguais. Mas quando digo iguais é mesmo sem tirar nem pôr, os bonequinhos são iguais, o tipo e a qualidade da fralda é igual. Portanto, são mesmo igualzinhas, tirando o nome claro. 
Estão mesmo a ver a minha cara de alface quando me apercebo disso... o Príncipe dava logo sinal, mal fizesse alguma coisa pois o rabinho ficava húmido. Então a minha mãe disse para experimentar umas fraldas que lhe aconselharam, que se compram na farmácia num pack de 30 a 3 euros, chamadas Libero.
Foram a nossa salvação! Pois as fraldas da Libero, em termos de tipo de fralda, são iguais às do Aldi.

E pronto, estamos mais que aviados em relação a fraldas, o único precalço foi que a certa altura as fraldas já não estavam a aguentar tanto tempo como antes pois o Príncipe faz mesmo muito xixi. O que eu achei muito estranho e em conversa com mummy friends me aconselharam ir para o tamanho acima de fraldas. Pensei que iam ficar enormes mas a verdade é que bem apertadinhas, a diferença não é muita mas melhorou em termos de aguentar mais tempo pois têm mais capacidade. Problema resolvido!

Espero ter-vos elucidado em relação a este tema... e vocês que fraldas usam nos vossos crianços? Contem-me tudo!

12 de setembro de 2018

Número 2: update



Vai fazer no final deste mês um ano que nos mudámos para a nossa casinha! Nada de alugados mas sim o nosso espaço e o nosso cantinho... simplesmente fantástico! Mas o que me possuiu para nos mudarmos enquanto estava grávida de 37/38 semanas, isso é que já não sei, LoL

Na altura, disse que quando nos mudámos estava preocupada com as imensas caixas e mobília que ainda tínhamos que arranjar ou montar. Agora um ano depois, ainda há certas coisas que queremos arranjar para a nossa casinha mas estamos sem pressas pois está tudo organizado (sim a minha OCD não deixava que fosse de outra forma) e temos tudo o que precisamos! 

Aliás eu nunca fui tão contente quando comprámos uma arca frigorífica para colocar na nossa garagem, LoL. O que é incrível é que a nossa garagem está a ficar já a cheia de coisas do Príncipe, triciclos, escorrega, piscinas, sacos com roupa que já não lhe serve, LoL.  
Ah! E estou quase a acabar a parede das escadas mas estou imensamente contente com este projecto, ficou mesmo brutal.

Apesar de que não sou grande coisa a decorar, acho que até nem está má de todo... agora o que me falta? Colocar a nossa casa como "baby proof". Wish me luck!

10 de setembro de 2018

Goodreads Challenge 2018



Depois do fiasco do desafio de 2017, decidi que queria manter-me nos Reading Challenge do Goodreads mas simplesmente teria que os adaptar à minha vida agora de mãe e mulher casada, LoL.
Portanto, pensei começar por baixo e colocar apenas 7 livros para ler em 2018. 

Tenho a dizer-vos que ainda o ano não acabou e eu já consegui finalizar o desafio!


8 de setembro de 2018

Ataques de asma



Recentemente re-encontrei o antigo dvd do Quim Roscas e o Zeca Estacionâncio... e ainda me ri que nem uma perdida. Para vocês terem noção, a primeira vez que vi esta anedota no youtube (pois só depois arranjei o dvd completo), eu tive mesmo um ataque de asma de tanto rir, LoL.

Só mostra que muitas vezes não é pela anedota em si mas pela maneira de contar! Já conheciam ou já tinham visto?


Nota: cuidado com a linguagem menos própria.



4 de setembro de 2018

Pessoal fitness da treta: a dieta


Tal como já tinha dito no "Pessoal fitness da treta", ando mesmo sem paciência para pessoal que complica desnecessariamente as coisas. Uma delas é a nutrição ou dieta.
Tal como diz o sr. James Smith, para perda de peso é necessário uma dieta défice em calorias. Agora, qual o tipo de dieta?

Podem vender-vos mil e uma dietas mas, posso já dizer-vos que, nenhuma vai ser milagrosa. O que é milagroso é a consistência, persistência e paciência.
Chamo-lhe a dieta dos "ências" (autoria de moi), LoL. Ok, posso estar a gozar um bocado mas é a mais pura das verdades... se vocês forem consistentes na vossa dieta, se persistirem um bocado e terem paciência ao longo do tempo, garanto-vos que irão ter resultados.
Agora se é a dieta dos pontos, Jenny Craig, da água, Keto, do chá, TLC, entre muitas outras... não interessa qual é que escolhem desde que seja algo relativamente fácil de implementarem e manterem no vosso dia-a-dia. Pessoalmente acho que nós até temos um avanço pois a dieta mediterrânea é extremamente saudável e equilibrada (para isso, aconselho-vos a passarem no blog do Tio Heartless).

E traz-me ao cerne deste post... uma coisa que nenhum pessoal fitnesseiro menciona: ler rótulos.
Vocês pensam: pronto, ela pifou de vez e até que podia ser... se eu não tivesse razão!

Devido a ter tido alergias alimentares severas enquanto criança, quando se ia às compras aprendeu-se a ler os rótulos de tudo o que comprava. E há certos hábitos que não se perderam ao longo dos anos, que voltaram agora em força pois o Príncipe começou a comer comidinha a sério. 
O que eu não vejo o pessoal a fazer quando vai às compras é ler rótulos, vão pelo o que o slogan diz ou pela publicidade, em vez de irem ler as letras pequeninas.
Ora portanto, vou criar-vos um desafio: vão aos vossos armários, frigoríficos ou até mesmo da próxima vez que forem às compras, se por acaso virem algo que diga 0% de gordura (normalmente nos iogurtes "magros" isto é tiro e queda) ide ler as letras pequeninas mas leiam sentados, que é para não caírem quando virem a quantidade de açúcar que eles têm comparado a um item normal, LoL.

Portanto, o meu conselho é mesmo lerem os rótulos e terem uma maior consciência do que estão a comprar. Porque o que acontece é que as pessoas compram mercearias "magras" e comem desenfreadas pois: isto é magro por isso não faz mal à dieta e assim não passo fome. Admirando a seguir porque raio é que não conseguem atingir o seu objectivo...


2 de setembro de 2018

La Casa de Papel



Provavelmente quase toda a gente já viu a grande série La Casa de Papel mas só recentemente é que eu e o Maridão conseguimos acabar de ver... e valha-me Nossa Senhora da Agrela! Que série espectacular!
É da Netflix e é em espanhol, o que no início me deixou um bocado apreensiva mas passado esse momento ficamos de tal forma envolvidos na história e curiosos que nem ligamos.

Ora bem, assim muito resumido, a série é sobre um grupo de pessoas que vai fazer o maior assalto da história. Não a um banco, não a um museu ou grande loja mas sim à Casa da Moeda onde se produz efectivamente o dinheiro... com o desafio de que saindo do assalto vitoriosos a opinião pública tem que estar do lado deles. 
Como é que isso é possível?! Com reféns, armas, a roubar, como raios é que vão conseguir ganhar  a opinião do povo? Pois para isso têm mesmo que ver, LoL.

Para aqueles que viram a série, em primeiro lugar quero dizer: Bella Ciao! Em segundo lugar, eu quando acabei de ver fiquei com muitas questões... Gostei do final, achei super fofinho mas então e o resto do gang? E os reféns, tiveram aquilo que lhes foi prometido?
Uma pessoa precisa de saber!

Uma grande série sim senhor... Aconselho a darem uma vista de olhos!

30 de agosto de 2018

May the Force be with Mom




Como já perceberam pelas crónicas de "Um amor tatuado na alma" , eu gosto de desmistificar muita coisa do que é de facto ser-se Mãe. Por isso, hoje gostaria de vos partilhar um pensamento meu... Já se aperceberam de que a maternidade, o ser-se  efectivamente Mãe, é como o Star Wars

Ok, sim, eu sei! Mais aleatório que isto, não há, LoL!

Contudo, a verdade é que tal como há momentos dignos de um Jedi (conseguimos adormecer a pequenada à primeira, não há fitas a comer, não há birras com brinquedos, etc), há também momentos mais que dignos de um Sith (a pequenada combate o sono, atira comida para o tecto, faz birras por tudo e por nada, etc).
Outro facto é que os nossos pequenos são verdadeiros Yodas, isto é, o facto desta personagem ser daquele tamanho não significa que até os mais pequenos  não conseguem grandes feitos. Muitas vezes colocamos os nossos filhos em redomas de vidro mas a verdade é que mesmo pequeninos são capazes de imensas coisas! Já para não falar que descartamos tudo o que dizem mas às vezes as crianças são verdadeiras filósofas, tal como o nosso Yoda, por terem uma perspectiva muito diferente do mundo (ou da galáxia, como quiserem).
Queria também mencionar que um dos grandes ensinamentos Jedi é ter paciência, ou seja, qualquer Mãe está mais que calejada neste aspecto. As crianças não são de todo pacientes e até já consigo ver isso no meu Príncipe que ainda nem sequer tem um ano de idade! E, claro, nós Mães precisamos de quilos de paciência... se houvesse um mercado negro disto, qualquer pai e mãe seriam os primeirinhos da fila, LoL. 

Isto para dizer o quê?

Ser-se Mãe é mesmo como A Força, não há apenas momentos fofinhos, há também momentos em que o próprio Darth Vader se encolhia de medo. Temos é que aceitar ambos os lados da Força pois sem a escuridão (os dias menos bons) não apreciariamos os momentos de luz.

Faz tudo parte... Temos é que aceitar que afinal tudo pertence a esta galáxia que é a maternidade.

28 de agosto de 2018

Os vegans pioneiros


Eu já me tinha lembrado disto mas gostava de partilhar esta minha ideia peregrina em condições com os meus queridos súbditos... ora bem, lembram-se do filme Bambi da Disney? 
Ok. E já repararam que nos dias de hoje há um aumento de vegetarianos e vegans? 

Coincidência?! Não me parece... eu acho que foram várias gerações que ficaram traumatizadas com a morte da mãe do Bambi (ó não, esqueci-me de avisar que havia spoilers) e ficaram com aquela aversãozinha à carne.

Não precisam de terapia ou de consultas no psicólogo... eu cheguei ao cerne da questão. You're welcome! LoL.

26 de agosto de 2018

Pessoal fitness da treta


Eu acho que a maternidade me fez mal, no sentido em que não tenho paciência para nonsense. É que é zerinho mesmo!

Claro que isto incluiu umas quantas adições para a lista de ódios de estimação mas a verdade é que qualquer coisa que me empate a vida, causa-me logo um prurido que não vos digo nada. E uma das coisas que me estava a chatear solenemente era o pessoal fitness das redes sociais. A verdade seja dita, eu já não seguia muitas mulheres mas agora sigo ainda menos... isto muito francamente porque me deparei com o sr. James Smith.

E o que é que ele tem de diferente de todo o resto do povo fitnesseiro? (Adoro inventar palavras, LoL)

Ele já é conhecido como o Gordon Ramsey do fitness e só isso já vos dá uma ideia... A atitude dele é tão refrescante que dou por mim a segui-lo em várias redes sociais e a ver, às vezes, as Q&A's dele de manhã.
O resto do pessoal do fitness tende a complicar ou focar-se em aspectos errados tendo em conta que a maioria do pessoal não é bodybuilder e simplesmente quer perder peso, ser mais saudável e/ou sentir-se melhor consigo mesmo! 
Exemplos? Como este vídeo a explicar o porquê de a perda de peso ser mais difícil nas mulheres. Mas tem toda uma planóplia de vídeos como esse... a destruir mitos, informar as pessoas e a melhorar as expectativas.

Aconselho vivamente a passarem pelo instagram dele...


A post shared by James Smith (@jamessmithpt) on

22 de agosto de 2018

Não incomodar, se faz favor



Quando uma mulher se torna mãe, há imensas coisas que mudam... Estou a dizer o óbvio, eu sei.
Logo à entrada da Maternidade dizem-nos logo para abandonarmos o nosso orgulho; quando seguramos o nosso rebento, sentimos o imenso peso da responsabilidade; mas a verdade é que eu podia, de facto, enumerá-las todas, contudo o que eu quero é partilhar uma que raramente é falada: nunca mais vais ter um momento de sossego!

Ok, pode parecer um bocado extremista mas quando são pequeninos, preocupamo-nos se vão acordar a qualquer instante. Quando são maiores preocupamo-nos se vão tentar agarrar alguma coisa ou gatinhar para sítios que não devem. E quando são um bocadinho maiores ainda, quando há o perigosíssimo silêncio!
Portanto, não há um momento de sossego e isso engloba fazeres tanto as tarefas domésticas como coisas completamente naturais, como ir à casa-de-banho e/ou tomar banho. Hoje gostaria de vos falar deste último...

Para quem não tem filhos, pode pensar que estou a ser super dramática mas o pessoal com filhos está neste momento a abanar a cabeça em afirmação ou a fazer um facepalm.
Eu agora, penso, o que raios fazia eu antes de ter o Príncipe para demorar 15 a 20 minutos a tomar um duche?! De momento, demora-se no máximo 5 minutos e quase a parecer a equipa da boxes de Fórmula 1 da Ferrari.
Portanto, quando, por acaso, tomo banho quando o Mais-que-Tudo está em casa, há todo um sinal imaginário pendurado na porta da casa-de-banho a dizer "Please, do not disturb" e gosto de pensar que está subentendido sob pena de morte, mas isso sou eu.

É incrível, como depois de ter filhos, uma coisa tão simples se torna como um acto de luxo. Pois um duche, quando não temos que nos preocupar com o nosso rebento pois está com o papá ou os avós ou alguém que os saiba segurar durante dois segundos... o duche torna-se numa verdadeira ida a um Spa de 5 estrelas!
Toda ela uma musiquinha ambiente, o apreciar da àgua a correr, fazer uma esfoliação, poder colocar amaciador e esperar que faça efeito, fazer a depilação ao mato que são as nossas pernas, sair do banho com calma e não correr o risco de espetar com a cabeça nos azulejos, na pura da loucura passar creme no corpo...

Por isso, este momento só pode ser interrompido por situações de vida ou de morte! Se por acaso o Mais-que-Tudo pensa em tocar na maçaneta da porta, já começa a ouvir todo um rosnar do outro lado da porta. Sim... porque o sexto sentido de mãe que tanto falam, não se aplica só ao bebé, LoL.

20 de agosto de 2018

The Graham Norton Show


Um dos meus programas favoritos desde que vim para o UK é este programa!

Em primeiro lugar adoro o Graham e se eu soubesse que ele apresenta todos os anos a Eurovisão, aqui no UK, eu já tinha começado a ver há muito mais tempo, LoL. O tom sarcástico e o sentido de humor é simplesmente brutal! Mas não é só por isso que adoro... o programa em si em termos de entrevistas a convidados é brutal pois não é o normal formato. Num episódio o Graham é capaz de dizer muito pouco e às vezes convidados falam entre si, trocando histórias, etc. Não se tornando aborrecido... aliás muitos vídeos do programa ficaram virais por isso mesmo.
No final do programa tem ainda a Red Chair! Que qualquer pessoa da plateia pode ir lá contar uma história. Se for boa, pode ir embora mas se for má, é virado ao contrário, LoL. E, meu Deus, as histórias que aparecem lá...

Aconselho-vos a ver um episódio, vão rir sem parar, LoL.

18 de agosto de 2018

To and through the heart



Run desire run
Sexual being
Run him like a blade
To and through the heart
No conscience
One Motive
Cater to the hollow

Screaming feed me here
Fill me up again
Temporarily pacify this hungering
So grow
Libido throw
Dominoes of indiscretions down
Falling all around
In cycles
In circles
Constantly consuming
Conquer and devour

Cause it's time to bring the fire down
Bridle all this indiscretion
Long enough to edify
And permanently fill this hollow

Screaming feed me here
Fill me up again
Temporarily pacifying

Feed me here
Fill me up again
Temporarily pacifying


Nota: Já vos tinha dito que A Perfect Circle é uma das minhas bandas favoritas?

16 de agosto de 2018

Dinossauros disfarçados de jovens, parte 2


Foi-me colocado este cenário pois ao que me parece, há milhões de anos pertenci ao Fórum ou Conselho de Veteranos da universidade... Longe estava eu de pensar que isto tinha acontecido mesmo. Tal como na parte 1, eu fico mesmo incrédula ao ver que este tipo de pensamento retrógrado ainda existe, principalmente em pessoal jovem!

Então o cenário foi o seguinte, havia duas pessoas que pediram ao Conselho para terem a autorização para em vez de comprarem o traje feminino, queriam comprar traje masculinho pois além de não se identificarem com o feminino, estavam já em transição.

A minha resposta foi: não importa o traje que compram desde que estejam bem trajados.

A resposta real do Conselho foi: se são mulheres têm que comprar e usar o traje feminino.


Há poucas coisas que me deixam sem palavras e este tipo de atitudes é uma delas…

14 de agosto de 2018

The Lux series: Oblivion



"If your ego gets any bigger, it'll need its own zip code."

Eu dou comigo a que de cada vez que estou encalhada em algum livro ou não sei o que ler a seguir, viro-me sempre para a senhora Jennifer Armentrout. E foi precisamente isso que aconteceu, dando por mim a ler o último livro da saga Lux da autora. 

Este livro é considerado o livro 1.5, ou seja, para melhor compreensão do mesmo, é melhor ler depois do primeiro livro e antes do segundo, se bem que eu acho que podia passar bem por um 2.5 pois tem bastantes partes do segundo e até partes do terceiro. Além disso são as mesmas cenas mas apenas em diferente POV (point of view), isto é, o livro em si é a visão do Daemon, o nosso alien favorito. E sim, tem partes hilariantes, LoL.
Eu adoro livros com diferentes POV. Aliás, na saga The Covenant, tenho que admitir que o meu livro favorito é o Elixir pois é a POV do Aiden (team Aiden forever). Portanto, pensei: eu vou adorar este livro!
O problema é que apesar de ter gostado da saga Lux, esta não é a minha saga favorita por isso sim foi engraçado ler certas passagens pelo POV do Daemon mas não estava fervorosa a ler. Contudo e porém, ao ler este livro e as menções que faz, senti muito mais curiosidade no novo livro que vai sair da saga sobre o Luc, uma outra personagem completamente secundária mas que levanta muitas questões. 

Por isso, se a intenção da senhora Armentrout era aguçar a nossa curiosidade para o novo livro ainda para sair, job well done!

12 de agosto de 2018

Leeds Castle



Desde que nos mudámos para o nosso número 2, que andámos a explorar a nova zona e nestas explorações descubrimos que a 10/15 minutos de nossa casa está o Castelo de Leeds.

A primeira visita fiz quando ainda estava grávida e na altura achei os bilhetes um bocadinho para o carotes, eram um bocadinho mais de 20 libras. Contudo, ao longo do tempo constatei que afinal o preço dos bilhetes até nem é assim tão mau pois ao se comprar, esse mesmo bilhete é válido um ano! Ou seja, durante um ano não se paga mais admissão. 
E vocês dizem: mas porque raios é que tu queres ir mais do que uma vez?

É que além do maravilhoso castelo, tem os imensos jardins em vários estilos, tem até um labirinto com uma gruta lindíssima no final, uma exposição de coleiras (sim, muito random eu sei mas é engraçado ver coleiras do século 18), exibição dos aviões Spitfires, uma falcoaria com exibições e depois ao longo do ano fazem eventos do género feiras medievais, um car show com carros clássicos e super carros, entre muitas outras coisas... por isso até vale a pena pagar o preço pois acabamos por ir muitas mais vezes pois para ver isto tudo não se consegue com apenas uma ida, LoL.

Aconselho vivamente uma visita a este castelo, mais não seja para aproveitar os maravilhosos jardins com um pic-nic.

10 de agosto de 2018

A banda sonora das Semanas Académicas

Quer ainda estejas na universidade, já te tenhas formado no ano passado ou há 7 anos como aqui a vossa Soberana (ó meu Deus, foi mesmo há tanto tempo?!)... há sempre bandas sonoras das Semanas Académicas!


Para quem foi a Semanas Académicas, como eu, no início do milénio (sim, não magoem as vossas cabeças a fazer contas, eu ia a Semanas Académicas bem antes de entrar na Universidade), vai concordar que uma presença habitual em todas, foram os Blasted Mechanism. Ainda antes do Gangnam Style, ainda antes do KPop, o pessoal universitário já ouvia música sem perceber nadinha das letras, LoL.


Calma... Obviamente que ia incluir o Quim Barreiros, esse grande Deus das Semanas Académicas! Eu acho que o pessoal até fica desiludido se por acaso ele não aparece em alguma, LoL.


Recentemente, a Ana Malhoa tem marcado presença em algumas Semanas Académicas. O que muito provavelmente o pessoal leva esse concerto para o gozo... Até ao momento em que ela canta a abertura do programa Super Bueréré. Aí o pessoal roça a loucura e cantam em plenos pulmões, LoL. O que é extremamente inteligente da parte dela pois o pessoal que costumava ver o programa dela ou está a acabar licenciaturas ou mestrados. Provavelmente o pessoal que está a começar agora, não se recorda deste programa, ahahah.


Menção honrosa: Fernando Alvim, claro... muitas das vezes a salvação para todo aquele pessoal que não gostava de nadinha no cartaz (tirando o sir Quim Barreiros, claro) pois podíamos ouvir Dartacão, Red Hot Chilli Peppers, Dragon Ball, Queen, etc. Brutalíssimo para cantar em plenos pulmões! E ficarmos assim meio burrinhos de como é que ainda nos lembramos de mais de metade das músicas, LoL.

8 de agosto de 2018

A saúde mental



Enquanto estive em Portugal e tinha mais pessoas que ficassem com o Príncipe... decidi marcar uma consulta de Psicologia.
Porquê?
Ora bem, quando estão com febre tomam medicação, quando dão um jeito vão ao osteopata/fisiatra, quando partes uma perna vais ao médico... então se a tua cabeça, a tua mente, não está bem porque é que temos a tendência a ignorar?
Eu não quis ignorar ou adiar e por essa mesma razão fui a uma consulta com um Psicólogo. 

O começo da consulta foi engraçado, não era necessário estar a procurar a razão que me levou ao consultório: eu queria saber se havia indícios de alguma depressão pós-parto ou se fiquei com alguns resquícios do baby  blues. Ou seja, o facto de eu saber o que me levava ali, facilitou no que eu esperava daquela consulta.
Então fiz um teste standardizado, falei sobre a minha gravidez, o parto, a amamentação, os primeiros tempos com o bebé, os baby blues e o que eu sentia...

O resultado da consulta foi um bocado de "food for thought" no que toca à minha personalidade e como ela afecta a minha maternidade. Com o diagnóstico de disforia, ele referiu que não há indícios de trauma ou depressão.

Excelentes notícias!

4 de agosto de 2018

Um post especial...


Não sei o que me possuiu mas decidi fazer um vídeo como post. O primeiro, em quase 10 anos do Reino! Mas vejam o vídeo e vão perceber o porquê!

Gostava apenas era de deixar uns apontamentos: não se preocupem, eu não vou virar youtuber porque além de eu preferir a vertente escrita, apercebi-me que não tenho jeitinho nenhum! Não estou a ser modesta, não tenho mesmo jeitinho nenhum, LoL.
O vídeo está num ângulo que nem sequer me favorece mas eu não conseguia colocar o telemóvel a filmar de outra maneira. E não sei se repararam mas a edição é quase inexistente pois eu sou mesmo uma info-naba!
Só de pensar que me falta o próximo vídeo, começo com uma sudorese que não me aguento, LoL.

Contudo, espero que gostem...


2 de agosto de 2018

Young Sheldon



Só me apercebi recentemente, enquanto estava a ver reruns de episódios desta série, é que me apercebi que ainda não tinha feito uma review sobre ela... Shame! Shame! Shame! (curtiram a referência de GoT? LoL Pois... essa temos que esperar até 2019, malvados)
Realmente não sei como me esqueci pois esta série é assim qualquer coisa de espectacular! Para quem já adorava The Big Bang Theory, ver esta série é sagrado pois o Young Sheldon é tão fofinho que dói!

30 de julho de 2018

Autógrafos



Vou contar-vos uma coisa sobre a minha pessoa, que acho que nunca mencionei antes... eu não gosto nada mas mesmo nada de pedir autógrafos. Na pura da loucura pedi uma foto na Comic Con mas chatear pessoal não é mesmo comigo.

Quando é para pedir autógrafos de alguém famoso só penso na quantidade de pessoas a pedir exactamente o mesmo e penso que aquela pessoa já deve tar fartinha de fazer aquilo.
Eu sei, eu sei... muitas das vezes é trabalho delas, ou seja, ajudar a fan base faz parte do trabalho dessas pessoas. Mas não consigo, LoL.

Odeio ser chata.
(O Mais-que-Tudo está a rir-se neste momento, LoL)

28 de julho de 2018

Book reviews



Vocês como já devem ter percebido, eu adoro ler. E seja que livro for, gosto de vir ca deixar uma review... há apenas um problema.

Eu de cada vez que navego pela blogosfera e vou ler outros cantinhos que fazem book reviews, tenho um dos seguintes pensamentos: "eu percebo tanto de book reviews como de lagares de azeite" ou então "eu devia era estar quietinha". 

Claro que não tenho ares de grandeza e pensar que as minhas reviews estão ao mesmo nível que, por exemplo, a The Phoenix Flight (que sigo religiosamente e aconselho-vos a darem uma vista de olhos)... mas a verdade é que eu muitas das vezes não quero dizer demais pois, pessoalmente, odeio spoilers. Não coloco sinopse pois na era do Google, tudo se descobre facilmente.

Mas como faço as reviews para vocês, o que dizem de vossa justiça? Será que devia dizer mais? Ou devia começar a colocar sinopses? Ou se calhar devia ainda incluir um outro elemento? 

Vá, ajudem aqui a vossa Soberana, se faz favorinho...

26 de julho de 2018

Saltarinhos vs. Aranhas



Chega sempre a uma altura de qualquer pai, em que ficamos indecisos entre algo para os nossos rebentos. Queremos o melhor para eles, é normal... Mas às vezes, por falta de informação, não sabemos o que é melhor.

O mesmo nos aconteceu quando o Príncipe começou  a ficar cheio de genica, a segurar a cabeça e a querer mexer-se mais. Ficámos indecisos entre comprar um saltarilho (jumperoo) ou uma aranha (walker)
Mas como ser enfermeira não tem só desvantagens... Perguntei a cirurgiões ortopedistas pediátricos com quem trabalhei durante anos e confio imenso!
O conselho foi: aranhas não! Os saltarinhos promovem o desenvolvimento dos músculos, ensina os pequenitos a literalmente saltar, usar as perninhas coordenadas e dependendo do saltarilho ajuda no desenvolvimento cognitivo também.
E porquê, aranhas não? Pois o conselho dos profissionais da área é que os aranhas causam maus vícios com os pézinhos, o que se torna problemático no desenvolvimento dos pequeninos.

Obviamente que cada pai faz o que acha melhor para os seus filhos mas para quem não sabia ou estava na dúvida como eu, fica aqui a dica!

24 de julho de 2018

Strangers



Há uns tempos atrás eu e o Mais-que-Tudo estávamos a ver televisão quando passou um reclame sobre um programa estilo documentário: "Hello Stranger"

A premissa do programa é um casal que voluntariamente é hipnotizado para se esquecerem um do outro e do facto de estarem numa relação, passando por uns blind dates que incluiu encontros um com o outro. Ou seja, no meio de pensarem que estão solteiros outra vez, saem num date com estranhos e com eles mesmos, vendo se se escolhem outra vez, LoL.
O Mais-que-Tudo ficou super entusiasmado quando viu o reclame e eu também para ser sincera... como é que isso seria possível? A primeira coisa que pensei foi: hipnotismo? Really?! Não que não "acredite" mas hipnotismo não funciona com toda a gente, então como é que isso seria possível aplicar num casal?
Quando vimos o programa de facto eles tiveram que fazer uma avaliação a vários casais e o mais suscetível foi o escolhido. 

O casal escolhido está junto há 4 anos, estão a viver juntos mas sentem que a relação está assim um bocado parada, então só que querem ver se em 3 encontros, voltam a escolher-se ou não.
Primeiro o hipnotizador explica o que lhes vai fazer, o processo e assim. Depois de os hipnotizar, leva-os a blind dates, onde não conhecem as pessoas, pensando que estão num reality show de encontros.
Como se já não fosse estranho o suficiente o facto de um casal concordar em ser hipnotizado, os blind dates concordaram em ir para os encontros sabendo que a outra pessoa estava hipnotizada, LoL. Achei isso um bocado estranho no meio de tanta estranheza, ahahahah.
Depois de 2 encontros, o terceiro encontro é um com o outro... não se reconhecendo, como se fosse o primeiro encontro! Isso sim foi interessante ver.

No final, colocam no bolso a foto do encontro que mais gostaram... indo de encontro com o hipnotizador, ambos ao mesmo tempo, para ele os "deshipnotizar". Após ele lhes mostrar o telemóvel cheio de fotos em conjunto, entre outros itens, as memórias da relação voltam... e chega o momento de revelar quem escolheram.
O rapaz estava sem palavras, a rapariga estava muito emocional, então eu e o Mais-que-Tudo dissemos: "Oh não, não se escolheram!" Quando tiraram as fotografias, afinal tinham-se escolhido um ao outro!!

Em primeiro lugar, o que raio aconteceria se eles não se escolhessem outra vez?! Em segundo, apesar do programa ter parecido um bocado ridículo, a premissa é super interessante! Se as vossas memórias da relação fossem apagadas, voltassem a conhecer a vossa cara-metade, será que o/a voltavam a escolher?

Interessante, não é?

22 de julho de 2018

Coisas milagrosas

Já há muito tempo que não fazia uma product review mas a verdade é que nada me tinha espantado... até agora!

Vocês sabem como o meu cabelo reage a outras marcas e como tenho toda uma colecção de Yves Rocher em casa... por isso é que foi fantástico quando experimentei esta máscara da Real Natura. 
A verdade é que experimentei puramente porque a minha mãe tinha lá quando estive em Portugal e me disse que era um produto fantástico porque senão nem me aventurava. Então e não é que experimentei e o raio da máscara é simplesmente espectacular?

Dependendo do estrago no cabelo pode fazer mais ou menos aplicações mas a verdade é que quando colocava o meu cabelo ficava leve, super fofinho e imensamente hidratado. E vocês dizem: "mas ó C. a gente tem lá 12 euros para comprar uma máscara do cabelo". Eu diria a mesma coisa mas a verdade é que dura imenso! Num mês com usagem mais intensiva pois fui para a praia e tinha o cabelo mais estragado, com o puto a usar também... não se gastou nem um terço da embalagem e vocês sabem que ambos temos o cabelo comprido.

Se por acaso precisam de um produto muito reparador, que não faça pesar o cabelo ou torna-lo oleoso, duradouro e que não custe os olhos da cara, este produto é o ideal para vocês!

Até comecei logo a procurar a marca no UK, LoL. Vocês conheciam? Já usaram?

20 de julho de 2018

A primeira ida à praia



Durante o tempo que estivemos em Portugal, aproveitamos para passar uma semaninha na praia. Fomos a uma praia onde passei imensas férias ao longo da minha infância, que é super familiar, sossegada e com muito iodo. Perfeita para levar um bebé!

Claro que tivemos todos os cuidados ao levar o Príncipe à praia... Como por exemplo, protector solar. Já tinha usado no UK e na Bila mas ainda antes disso, experimentamos um bocadinho no braço para ver se fazia alergia e como não fez nenhuma reacção, a gente continuou a usar o protector Nivea para bebés. Além claro de usar sempre um chapéu, roupa fresquinha e, também, água!
Outro cuidado foi respeitar o tempo e a rotina do Príncipe, isto porque a praia cansa mas cansa mesmo. Não adianta mesmo pensar nas vezes em que dormíamos uma sestinha na praia ou estávamos ao sol o tempo todo a ler um livro. Ah! Those were the times, LoL. Por isso temos que respeitar a rotina do bebé, que no nosso caso implicava vir a casa almoçar para o Príncipe depois dormir a sesta da tarde.

Mas o que vocês querem saber é se o Príncipe gostou da praia: ele adorou! 
Quando tocou a areia começou logo a rir-se, quando foi molhar os pézitos no mar adorou as ondas e era um consolo vê-lo dormir com o som do mar... Até ao momento em que ele quis comer areia, LoL.

Quanto à mãe do Príncipe, a vossa Soberana aproveitou que os avós queriam aproveitar e passar mais tempo com o pequenito, então aproveitei para colocar, um pouco, a leitura em dia... porque praia sem livros não é praia, não é? 

18 de julho de 2018

De volta da segunda viagem


Ora bem, cá estamos nós de volta à nossa casinha no UK. Foi mais de um mês em Portugal e desta vez até foi estranho passar a fronteira das terras de sua magestade... mas também soube mesmo bem voltar ao nosso lar.

E qual é assim o resumo da nossa estadia em Portugal? Ora bem... aqui a vossa Soberana além de mais morena, veio também casada! 

Sim, casámo-nos mas ninguém soube... Fizemos o casório em segredo e só divulgamos no baptizado do Príncipe, à família e amigos. Queríamos dar este grande passo na nossa relação mas queríamos  mesmo uma coisa só nossa. Então lá fomos, só nós e não mudava nem um bocadinho pois foi perfeito!

Por isso, trintona, casada e mãe de filho... vim de Portugal uma mulher nova, LoL.

14 de julho de 2018

The big 30



Hoje a vossa Soberana chega a um novo patamar, assim dia para a noite tornei-me trintona. Assim uma pessoa crescida... e dizem-me que tenho que guardar as minhas Converse, como que tens que guardar uma parte da tua personalidade. Lá por eu fazer 30 anos não quer dizer que vou colocar de lado as minhas Converse ou as minhas maluqueiras. O que importa é ser feliz!

#foreveryoung #eufaçooquequero #nãomandasemmim

8 de julho de 2018

É oficial!

Uma publicação partilhada por omeureinodanoite (@omeureinodanoite) a


Finalmente, o Reino tem instagram oficial! Totalmente público e prontinho para vocês adicionarem: @omeureinodanoite

4 de julho de 2018

My life is a lie


Aquele momento fantástico em que a minha Mãe vê-me a passar roupa a ferro e temos a seguinte conversa:

Mãe - Porque é que passas a roupa do avesso?
Eu - Como assim? Foste tu que me ensinaste...
Mãe - Ai fui? 
Eu - Tu não passas do avesso?
Mãe - Não, não passo... 
Eu - Então porque é que me disseste para passar do avesso?
Mãe - Provavelmente disse-te do avesso que era para não estragares a roupa.

A minha vida é uma mentira, LoL.

20 de junho de 2018

Síndrome de Mãe Perfeita




Eu tive que pensar mesmo muito sobre este post e por isso demorei tanto tempo a escrevê-lo… Principalmente pois demorei um bocado a saber transpor certos sentimentos e certas coisas. Peço desculpa se estiver um pouco confuso mas aqui vai!

Em primeiro lugar, é preciso falar da ideia que os media passam do que é “ser-se mãe”. Desde pequenas que aprendemos que devemos ser mães maravilhosas, cuidadosas, apaixonadas e que o instinto materno irá nos atingir que nem um raio, a partir do momento em que sabemos que estamos a criar um bebé dentro de nós… isto tudo parece maravilhoso mas nem sempre (ou quase nunca) isto acontece de modo instintivo e inato para a mulher.
A verdade é que a maternidade atinge-nos como o mar. Começa primeiro por levar tudo à frente, como uma onda, quase sem termos tempo de perceber o que raio se está a passar... E depois lentamente o ser-se Mãe vai crescendo e aumentando como a maré.

Não importando de todo quais as expectativas que tínhamos pois a realidade é sempre diferente.
Não que tivesse uma imagem muito romântica da maternidade, não que não quisesse ser mãe… eu queria e muito! Nas primeiras semanas não foi assim tão mau, apesar de acordar várias vezes para dar de mamar, o moço devia estar ainda atordoado por isso era bastante sossegadito.
Olhando para trás, devia ter aproveitado para descansar ao máximo mas não, a ideia de “eu tenho um filho e vou conseguir fazer tudo” estava presente em mim. Só que esquecia-me que tinha estado quase 48h sem dormir e o meu corpo nem sequer tinha recuperado do parto! Lá andava eu a limpar a casa, passar roupa... Maluquinha de todo, eu sei.

Depois das primeiras semanas de atordoamento, o moço revelou-se: as cólicas, as lutas contra o sono, o choro desesperante... Tal como já tinha dito nesse post, foi uma temporada do inferno, com a nossa inexperiência a ajudar mas como tudo, lentamente foi passando.

O que não foi passando foram os pensamentos que iam rolando na minha cabeça, tipo mantras: tu não sabes o que estás a fazer; não estás preparada para ser mãe; és uma péssima mãe; só tu no universo não tens instinto maternal; entre outros. Dava comigo a chorar compulsivamente com o Príncipe nos braços. Se eu queria falar com ele? Choro. Se eu quisesse brincar com ele, choro. Se eu queria fazer festinhas… choro.

Já tinha mencionado os baby blues mas ainda não tinha conseguido descrever como deve ser. É-me mesmo muito difícil colocar em palavras… primeiro pois pensava que as pessoas iam ter a ideia de mim como péssima mãe: "mas que raio de mulher não fica feliz com o seu bebé nos braços?" (sim, esta era uma das habituais na minha cabeça na altura). Agora? Agora vejo que é completamente normal, maior parte passa por isso, contudo, simplesmente parece ser um grande tabu.

O problema é esse mesmo, há a noção, criada pela sociedade, de que deveria ser o momento repleto de rosas e passarinhos a voar... Quando, na verdade é normal haver momentos tanto de felicidade plena, como de tristeza, irritabilidade, choro (muito) fácil, cansaço constante, desinteresse por si própria e até mesmo do bebé.
Eu na altura que estudei Obstetrícia, já se dizia que os baby blues ocorrem em 85% das mulheres. Bem mais de metade! E olhem que ainda não vejo isso a ser falado na sociedade… pois quando acontecem de forma mais grave e duradoura, pode levar a depressão pós-parto que é um outro assunto muito sério.
Eu podia explicar-vos as alterações que são os factores implicados dos baby blues e depressão pós parto: uma queda abrupta de hormonas, às vezes a falta de suporte familiar ou dificuldades económicas e ainda historial pessoal ou familiar de depressão. Podia explicar cada um deles… mas a verdade é que nenhum deles, verdadeiramente, explica como uma mulher se sente durante esta primeira fase de ter um bebé.

É normal que muitas vezes as mães sejam inundadas com as perguntas “será que isto é normal?” ou ainda “será que estou a fazer alguma coisa mal?”, já para não falar daquele sentimento de culpa tão omnipresente na vida de uma mãe. Tal como já tinha mencionado antes, são mantras que estão constantemente a passar na nossa cabeça em repeat, deixando-nos numa ansiedade estratosférica… Leva a uma tristeza profunda e a crises de choro.
Eu que nunca fui muito de chorar, nesses primeiros meses, chorei tanto mas tanto, que pensei que não ia conseguir parar! Parece exagerado contudo era assim que me sentia. E depois não era só o facto de chorar mas sim as crises de choro angustiante, em que sentia um aperto tão grande que tinha dificuldade em respirar.

Eu já tinha passado por uma depressão e ter passado pelos baby blues, marcou-me bem mais! É difícil de explicar mas estando depressiva, parece que o nosso cérebro e o nosso corpo estão dormentes. Não queremos sentir nada e fazemos por isso... estamos dentro de uma caixa fechadinha dentro da nossa cabeça em posição fetal e dali não queremos sair.
Porém, com os baby blues é um bocadinho diferente. O nosso cérebro não está dormente, estamos a processar imensa informação e a tentar assimilar tudo, a tentar funcionar com apenas algumas horas de descanso, a cuidar de um ser que precisa de nós para tudo... O nosso corpo está zangado connosco, passou por muito e precisa do tal descanso que teimamos em não dar.
Então isto resulta a que nós dentro da nossa cabeça estejamos a bater contra as grades de uma jaula, a gritar em plenos pulmões que queremos cuidar do nosso bebé e dar-lhe todo o carinho do mundo mas a porcaria das barras continuam lá.
A jaula são as nossas hormonas, que não deixam o nosso corpo corresponder ao que queremos fazer, alimentando o nosso cérebro com ainda mais dúvidas. Tem assim um efeito de síndrome locked-in  (onde os movimentos do corpo inteiro são paralisados com a excepção dos olhos mas continuando as faculdades mentais completamente funcionais), nós a ver a situação como que a ver um filme e a não poder fazer nada sobre o assunto senão esperar que a jaula decida enfraquecer e nos deixar sair.
Demorei quase 2 meses a voltar-me a sentir-me "normal", a conseguir falar, brincar, fazer carinhos ao meu Príncipe sem começar uma crise de choro. Se um par de meses é normal para "sair" daquela situação? Não sei... mas apenas um dia com baby blues já é longo o suficiente!

Por isso a qualquer futura ou nova mãe ou mesmo às mais experientes ou até para vocês partilharem, eu quero deixar uns conselhos para ver se acabamos com este síndrome de mãe perfeita: a casa por limpar, a roupa por lavar ou passar, o marido, trabalho, tudo fica em segundo, terceiro ou whatever plano... o que é importante é que descansem esse corpo que passou por tanto e essa cabeça que está a funcionar a mil.  Além de não ter vergonha de pedir ajuda ou simplesmente pedir para desabafar!

Agora para as mães, independentemente do que te digam ou do que digas a ti própria, espero que saibas que estás a fazer um trabalho espectacular e sabes porquê? 

Porque é o teu bebé e ninguém o conhece melhor do que tu que és Mãe pois apesar do que se está a passar com o teu corpo e com a tua cabeça, esse amor está-te tatuado, para sempre, na tua alma!

12 de junho de 2018

A segunda viagem



Ora aqui vamos nós para a nossa segunda viagem a Portugal... o nosso Príncipe é um viajado!

8 de junho de 2018

Osteopatia Pediátrica, Pré e Pós-Natal


Já há alguns anos que a Osteopatia tem um lugarzinho na vida da vossa soberana... conheci um osteopata simplesmente fantástico na Bila que me resolveu o emaranhado que é as minhas costas. Tinha bastantes dores que após duas consultas, nunca mais as tive. Depois apenas fazia uma consulta por ano (por vontade minha, não que ele me dissesse que precisasse) para manutenção ou para tratar de alguma maleita momentânea.

Por acaso, bem antes de engravidar, tinha falado com o meu osteopata que as limitações dele são osteopatia pediátrica e pré-natal. Portanto quando comecei a ter umas dores fulminantes (ao ponto de não conseguir andar) quando estava grávida de 13/14 semanas, pensei logo que não podia lhe pedir uma consulta, já para não falar de que não queria viajar de avião se não fosse necessário. 
Na altura falei com a minha midwife que me disse que era uma maleita de gravidez e que tomasse Paracetamol. Só que para além de eu não querer tomar medicação desnecessariamente, eu sentia que não era uma maleita normal, pois não é normal uma grávida da minha idade ficar, ao longo de 2/3 semanas, sem andar devido às dores. Falei então com o meu Obstetra que levou as minhas queixas muito a sério e me recomendou um osteopata aqui no UK, especialista em mulheres grávidas.

Sim, um Obstetra aconselhou-me um Osteopata... incrível, eu sei.

Fui à primeira consulta e logo de imediato senti um pouco de alívio. Na verdade, durante a consulta, estive sempre a pensar que aquilo não ia dar em nada pois ele fazia movimentos mesmo muito suaves. Na segunda consulta, ele pergunta-me como estava e fui sincera: "olhe eu achava que isto não ia fazer nada mas afinal sinto-me melhor!" LoL Ao qual ele responde: "então, claro, tu estás grávida, não posso simplesmente começar com movimentos bruscos." Tem razão homem, tem razão!
Ao final de apenas duas consultas, eu pude finalmente desfrutar a minha gravidez! Mantive-me sempre activa, a caminhar mas nada de exercícios mais pesados (HIIT ou pesos). Foi o ideal! Claro que quando cheguei às 36 semanas tive que fazer caminhadas mais pequenas pois uma simples caminhada no parque deixava-me cheia de contracções, LoL.

Depois veio o parto... E quando o Príncipe tinha quase um mês, uma amiga minha falou-me em consultas de osteopatia pediátrica que até ajudavam com as cólicas. Nessa altura já estávamos com o décimo círculo do inferno controlado mas pensei: mal não fará e então, porque não?
Lá levei o nosso Príncipe à primeira consulta de osteopatia...Outra vez, a início pensei que eram tão gentis que não iria fazer nada mas a verdade é que após terem feito um exame físico referiram certos aspectos do parto que eu não tinha dito, que estavam a afectar o pequeno.
E após algumas visitas ao osteopata era incrível a diferença nele... Primeiro ainda pensei que fosse uma coincidência mas a verdade é que cada vez que íamos a uma consulta, o Príncipe ficava super relaxado.
Após algumas consultas não havia necessidade de ele continuar a ser seguido mas agora que já se senta, começa a tentar gatinhar e a colocar mais peso nas perninhas, acho que seria uma boa ideia fazer um check-up brevemente.

Contudo, a parte milagrosa para mim da Osteopatia foi mesmo comigo. Tal como tinha mencionado no "Eu quero o meu corpo de volta" e "A revolta do corpo", após o primeiro mês comecei a sentir dores muito grandes nas costas. No início pensei que seria ainda o meu corpo a recuperar da gravidez e também do parto... mas a verdade que ao final de 3 meses não só continuava com dores, como estava pior ao ponto de coisas do dia-a-dia serem extremamente dolorosas (ir às compras, estender roupa, aspirar, etc). Queridos súbditos, eu não conseguia fazer nada! Até deitar o bebé às vezes dava umas guinadas de dor que me deixavam com lágrimas nos olhos... por isso qualquer tipo de exercício que eu queria fazer, era para esquecer, apesar de eu tentar fazer caminhadas mas acabavam sempre comigo a arfar de dores. No desespero entrei em contacto com um osteopata pós-natal na clínica onde o Príncipe teve as consultas dele... mas a verdade é que após duas consultas não via melhorias nenhumas, nem sequer melhoras nas dores.
Fui ao médico de família que me receitou medicação (que nunca cheguei a tomar pois estava a amamentar e não queria tomar medicação desnecessariamente) e fisioterapia, que na verdade não me fez nadinha.
Quando fomos a Portugal, obviamente, entrei em contacto com o meu osteopata... Após a primeira consulta não obtive melhorias completas mas em termos de dores fiquei 70% melhor! Ao qual ele me alertou que era normal e que tinha que me manter activa para o meu corpo se ajustar. Aproveitei já que em Portugal temos família, para tomarem conta do Príncipe enquanto eu ia a massagens e acho que as consultas, as massagens e os passeios pela Bila ajudaram imenso.

A verdade é que levou umas semanas mas, caros súbditos, estou oficialmente sem dores e muito mais móvel! Não estão a ver a minha alegria quando consegui fazer uma caminhada pelo parque com o Príncipe pela primeira vez sem ter que parar a cada 10 minutos. Já consigo fazer caminhadas de uma hora ou uma hora e meia, exercícios com pesos, brincar à vontade com o Príncipe (que engorda a olhos vistos)... Simplesmente incrível!


P.S. - sim, eu sei que podia ter sofrido menos e ter tomado medicação mas a verdade é que eu preferia aguentar com as dores do que estar a tomar drogas enquanto grávida ou a amamentar.

6 de junho de 2018

PoTD: update 10

Ora cá estamos para mais um update ao desafio Photo of The Day, que tal como já tinha explicado antes, consiste em colocar no Instagram uma foto por dia: que vai desde as minhas aventuras pelo UK, como das viagens que fiz ou ainda dos meus guilty pleasures fotográficos e muito mais... Espero que gostem!





Nota: não tenho o meu Instagram público mas se me quiserem seguir basta adicionarem @her.royal.highness742.