30 de janeiro de 2019

A árvore da vida


Depois de ter tido o Príncipe, apercebi-me que as pessoas na nossa vida são como uma árvore. Eu sei que provavelmente a maioria de vocês vai ler e vai pensar que sou super pessimista mas sigam o meu raciocínio. Ora bem, temos as folhas, os ramos e as raízes... 

As pessoas que são as folhas, elas desaparecem, voam com o vento pois elas só eram para ficar na nossa vida temporariamente. As "folhas" como qualquer amizade, são fantásticas no início mas tiam mais do que estão dispostas a dar e oferecem muito pouco suporte e ajuda especialmente em "estações" turbulentas. Ou seja, não estavam destinadas a ficar.

As pessoas que são os ramos são aquelas que fazem questão de dizer que estão ao nosso lado mal a gente precise mas assim que as coisas se tornem difíceis, elas partem pois não conseguem carregar tal peso. Os "ramos" servem algum propósito ou estão connosco por alguma fase mas não duram muito tempo, eventualmente se desligam de nós e cada um segue o seu caminho.

As pessoas que são as raízes são permanentes, são os amigos que passam tudo contigo. Vão ao inferno e vêm por ti, não precisam de estar em constante contacto contigo pois são aqueles que estão lá independentemente da situação. Mesmo depois das folhas voarem e das ramos se partirem, as raízes não nos deixam... pelo contrário, nutrem-nos para crescermos ou evoluirmos. 

Muitas vezes temos que passar como que por uma "limpeza" nas nossas amizades, isto é, situações em que só os verdadeiros amigos ficam pois o resto está a deitar-nos abaixo, parece que drenam a nossa energia, ou nem sequer nos ajudam. Verdadeiros amigos não vão fazer os nossos problemas desaparecer mas definitivamente não vão desaparecer enquanto resolvermos os nossos problemas ou crescermos. 

Há uma grande mudança nas relações à nossa volta quando temos um filho (e quem diz um filho, diz qualquer grande evento ou mudança na nossa vida), por isso quando aceitamos isto certas e determinadas amizades que ou não nos ajudam em nada ou não querem saber de nós, deixamos de gastar energia com coisas que não valem a pena e assim nos focamos com as pessoas que efectivamente nos ajudam e gostam de nós... Estou errada?

11 comentários:

Desabafista Profissional e Cusca de Blogues disse...

O contrário também acontece.. as pessoas depois de serem pais concentram-se mais na sua vida e por vezes não tem tempo/energia para estar com os outros.

Love Adventure Happiness disse...

Estás correctíssima!
Quem não compreende que a vinda de um filho vai diminuir a disponibilidade de tempo para borga mas que a porta está sempre aberta quando precisarem são amigos que não vale a pena manter, pode ser que um dia mais tarde percebam e reentrem na nossa vida.
Tenho amigos desde o secundário, meia dúzia mas são bons! Fui estudar para os Açores, voltei, vim para a Holanda há 6 anos, alguns tiveram filhos, recentemente eu também e continuamos amigos...

Green disse...

Acho que faz todo o sentido, sem dúvida.

The Pink Elephant Shoe disse...

Acho que disseste tudo bem!

THE PINK ELEPHANT SHOE

Os Piruças disse...

Estás certíssima.
Gostei dessa comparação, melhor não diria.

Boa continuação.
Beijinhos Os Piruças

Larissa Santos disse...

Adorei. Fantástico:))

Bjos
Votos de uma óptima noite.

Carol Arruda disse...

Oi,tudo bem?
Você escreve muito bem,não posso falar sobre esse sentimento,porque eu ainda não fui mãe e não pretendo ser,mas você escreve muito bem,admiro pessoas que escrevem bem.
beijos
http://blogcarolarruda.blogspot.com
@blogcarolarruda

Gaja Maria disse...

Estás certa sim :)

asli erguven disse...

Good post 😊
Would you like to follow each other? If the answer is yes, please follow me on my blog & I'll follow you back.
https://camdandusler.blogspot.com

Andreia e Jéssica disse...

Que belo texto, adorei, disse tudo!

Beijinhos,

http://damselme.blogspot.com/?m=0

Cynthia disse...

Completamente. Depois de termos filhos, acontece uma selecção natural nas nossas amizades...