13 de dezembro de 2017

Depois do grande dia...


Pensei e re-pensei sobre este post... no final, apercebi-me que não vou conseguir limitar-me a um post apenas.

Depois do parto, como devem imaginar estava bastante cansada mas, obviamente, que a partir daquele momento, que tempo para recarregar baterias ia ser muito reduzido, LoL. Agora olhando para trás, devia ter aproveitado o facto de que o Príncipe também estava exausto, para tentar descansar o máximo... mas sabem o que aconteceu? Apesar da minha exaustão, quase não preguei olho na primeira noite com ele. E vocês dizem: pois tinhas que dar de mamar e afins... Também mas não era só isso. O Príncipe se não estava a mamar estava a dormir descansadinho, nos entretantos em vez de dormir estava completamente vidrada nele e, principalmente, a ver se ele respirava.
Parece coisa de malucos mas a noite toda era eu a tocar-lhe no peito ou nas costas para ver se ele estava a respirar, de tão pacífico que estava.

Ficámos 2 dias no hospital, contudo no final do dia 18 as midwifes já estavam prontas para me mandar para casa. Eu é que não me sentia confortável para ir pois o Príncipe estava a ter alguma dificuldade em pegar na mama e amamentar era das coisas que mais queria, por isso ficámos aquela noite para eu ter algum tipo de suporte nesse aspecto.
Não tenho que dizer das midwifes. Como profissional, às vezes elas conseguem ser bastante difíceis de trabalhar mas como doente, estando do outro lado, foram espectaculares!

Quando fomos para casa é que a "diversão" começou. Aqui no UK, no dia a seguir à mulher regressar a casa, ela tem uma visita domiciliária da sua midwife que a seguiu ao longo da gravidez. Ela vem ver como a mãe está, se tem alguma dúvida, se precisa de algo, etc. Passado um par de dias tem outra e assim sucessivamente para ir vigiando a recuperação da mãe, como está a alimentar o bebé (neste caso recebi imenso apoio à amamentação) e, claro, o bebé.

É completamente normal o bebé perder peso naquela primeira semana e o Príncipe não foi excepção... Foi neste momento em que me apercebi de que o meu "Eu" profissional, não gosta de comunicar com o meu "Eu" maternal. Eu sabia que é normalíssimo e até esperado os bebés perderem entre 10 a 15% do seu peso mas mesmo sabendo, o meu coração de mãe ficou muito apertadinho e angustiado.
O que se passava na minha cabeça era que eu não era boa mãe, que não estava a saber cuidar do meu filho, entre outros mantras do género. Claro que depois dessa semana, o Príncipe começou a engordar a olhos vistos, sendo pesado todas as semanas, os números não mentiam mas, infelizmente, as inseguranças continuavam a tocar na minha cabeça. Com a explosão hormonal e com os mantras negativos... fui-me muito abaixo. Os tão falados baby blues atacaram-me mesmo!
Sentia-me um falhanço como mãe de cada vez que o menino chorava... mas irei falar mais sobre isso num outro post.

Correndo o risco deste Reino se tornar num baby blog, irei partilhando as aventuras desta nova mãe  e tudo o que isso envolve. O que acham?

16 comentários:

Rita C. disse...

Acho muitissimo bem :D Não te preocupes, não sou mãe mas a minha querida mãe diz que passava as noites (mesmo já em casa) a ver se eu respirava. Deve ser normal nas mães. Parabéns e felicidades :)
PS. espero que entretanto tenhas melhorado :)

As Coisas Dela disse...

Com o tempo a adaptação é cada vez maior e tudo se vai tornando mais fácil aos poucos. Beijinhos*

Pepper ✝ disse...

A tanto tempo que não via o teu blog, e agora achei-o de novo e fiquei super contente por ti. Acerca do que falaste, eu também fiquei assim quando tive o meu pequeno, tive uma semana sempre a chorar sem saber o motivo, a noite era pior, e sempre quis amamentar, mas por causa desse baby blues, acabei por desistir, o menino não estava a engordar com o peito, e eu desesperada fui para as formulas. Quanto a isso de ver se ele respira, ainda hoje, com 9 meses eu o faço, desde que nasceu que não durmo a 100% mesmo que ele durma descansado. Mas é o melhor do mundo.

i. disse...

Venham os baby posts :) Não sabia que eram depois acompanhados em casa, isso é muito muito interessante! E querida, espero que esses pensamentos menos bons já te tenham passado. És uma mãe fantástica que, ainda por cima, tem formação em saúde. Que filho privilegiado :)

Pipa BoaVaiEla disse...

Deve ser fantástico esse novo mundo. Deve ser tão bom quando nasce um filho. Estou tão ansiosa por estar grávida.

http://www.pipaboavaiela.pt/2017/12/blogmas-14-onde-passear-nas-ferias-de.html
Sugestões de onde ires nas férias de Natal :) seja com a família ou com amigos, a diversão é garantida :D

Denise disse...

Acho que vou gostar imenso de ler a tua experiência.
Espero que com o tempo essas inseguranças passem. De certeza que muitas mães sentem o mesmo que tu. Mas certamente darás uma ótima mãe, e com bastantes mais conhecimentos a nível de saúde dado que és enfermeira. :)

Uma coisa que poderias falar noutro post, caso queiras, claro, é se a tua experiência profissional te faz ver o parto de outra forma. Eu confesso que morro de medo só de pensar nisso, nas dores e em tudo o que implica. Certamente que também deves ter tido alguns receios, mas viste esse momento de outra forma?

Beijinhos

C. Correia disse...

É realmente depois de os levarmos para casa e nos depararmos "sozinhas" com o ser pequenino nos braços que vemos a responsabilidade para uma vida e que afinal, somos mesmo mães! Ao início só pensava "como serão os primeiros dias com ele??? Medooo!!!!" Agora tento não pensar muito nisso...
Espero que esses pensamentos passem rápido! Nunca seremos más mães se o amor que lhes damos é o melhor de nós!
Muitas felicidades! :')

Sofia disse...

Não sou mãe, mas tenho visto as minhas amigas a passarem por isso e acredito que não seja nada fácil! Mas não ponhas demasiada pressão em ti própria, só serve para estares sempre em sofrimento (; tenho a certeza que és uma óptima mãe e que o teu bebé está em muito boas mãos!

Andreia Morais disse...

Nunca fui mãe, mas acredito que nestes momentos o nosso lado profissional seja aquele que menos se destaca. Na teoria, a informação está lá, mas há outros condicionantes a falar mais alto.
Tenho a certeza que és (e serás) uma mãe maravilhosa. E que todas essas inseguranças contribuirão para isso mesmo, porque te deixarão atenta. Mas não te coloques em causa, desfruta de todo este momento. Os erros fazem parte, mas tudo se supera.
Acho a ideia fantástica!

r: O filme ainda não vi, mas adorei o livro :)

Desbocada Mental disse...

Os primeiros tempos são difíceis, somos assaltadas pelas duvidas pois so queremos fazer o melhor!

R: Reverse Harem = Harem invertido = 1 mulher com vários homens!

E. disse...

acho que claro que deves partilhar!
apesar de não ser mãe adoro saber coisas sobre o teu bebe :)

E. ♥ Meet me for Breakfast

AndreiaMateus disse...

Quero mais posts destes <3 não sou mãe, sou tia e sempre que o meu sobrinho adormecia eu estava constantemente a ir ver se ele estava a respirar, é que eles ficam mesmo serenos e profundamente adormecidos, é assustador e lindo ao mm tempo! E o meu sobrinho já tem 7 meses e às vezes quando o adormeço ainda fico preocupada se ele não estará demasiado encostado a mim e se está a respirar bem... o amor tem destas coisas <3 nem quero imaginar quando for mãe XD

A Pimenta* disse...

Quando tive a minha filha, as noites no hospital foram péssimas: mal preguei olho e a minha cabeça, durante o dia, parece que explodia! E também eu não estava preparada para os famosos baby blues. Oh como me atacaram, e eu que achava que nunca me iria acontecer tal coisa. Os primeiros tempos não foram de todo fáceis e brevemente vou reviver tudo outra vez: mas agora já estou preparada para o lado menos positivo da maternidade, por isso a ver vamos.

Cisne disse...

Força!! Acho que tens um público por aqui muito curioso sobre o assunto (eu muito muito incluída!) E só queremos que estejas bem ^^ E que bom saber que até uma profissional de saúde não se safa das hormonas xD

Catia Ferreira disse...

Eu adoro ler estas coisinhas! Força aí !

Cynthia disse...

Acho lindamente. Gosto sempre de ler sobre essas coisas :P e é sempre bom trocar experiências e ideias!

Não sei como é isso dos baby blues porque não o senti, mas acredito que não seja uma coisa fácil de lidar! Estás melhor agora? Isso é que é importante!