17 de março de 2018

As visitas


É normal quando um bebé nasce haver as visitas de família e amigos. O que é tão bom porque qualquer mãe babada gosta de exibir o seu rebento, como o bebé mais lindo da face da terra! O pior é que às vezes as pessoas se esquecem que vão visitar uma casa com um bebé ou uma mãe em recuperação do parto. 

Há aquele pessoal que diz que ajuda mas que fazem tudo menos ajudar. Enquanto a mulher está grávida, que dizem que vão estar por perto para ajudar no que for preciso e depois nem vê-los. Ou então aquele pessoal que vai visitar esperando que a mãe esteja a fazer lanchinhos e a entreter enquanto provavelmente o que quer é que fiquem com o bebé um bocadinho para poder descansar. Ou ainda o pessoal que fica horas e horas a visitar... o que vos parece óptimo porque querem ver o bebé e estar com os pais mas não se esqueçam que estão a interromper a rotina do bebé e/ou tirar um tempo (precioso) que os pais podiam estar a descansar mas estão a fazer sala com vocês.

Há também o pessoal que vai visitar, uma casa com um bebé, doentes ou a curar whatever vírus que os esteja a afectar. Acreditem, os pais vão vos agradecer muito mais se adiarem a visita por estarem doentes e para não pegarem ao bebé porque mesmo que pensem "ah eu não pego no bebé" ou "não me chego perto" os vírus ficam sempre ou podem ser transmitidos para os pais e depois para o bebé. Acreditem ter um bebé doente, mesmo que só uma constipação, é horrível! E mesmo que não estejam doentes e forem visitar um bebé, lavem as mãos antes de lhe mexer. Mesmo que os pais não peçam, é atencioso da vossa parte fazê-lo...

Depois há as visitas que vão analisar tudo o que que a nova-mãe está a fazer e criticar logo de seguida. O que uma nova-mãe menos precisa é de críticas... precisa sim é de reforços positivos, um simples: "és uma excelente mãe", pode ajudar imenso!
Outra coisa são os presentes que levam mas isso falarei em detalhe noutro post, tanto presentes para o bebé como para a mãe.

Contudo, uma excelente ideia para levarem, além dos presentes normais, é levarem comida. E não digo um bolo comprado na pastelaria ou algo assim. Não, mesmo comida! Cozinharem, por exemplo, um assado ou até mesmo uma esparguete bolonhesa e levarem. Pois principalmente no início, o bebé pode querer mamar a cada 2 horas, depois é preciso adormecer, mudar fralda, etc. Entre estas coisas todas e muitas mais, cozinhar está no fim da lista de prioridades e se a mãe tiver algo no frigorífico que seja só aquecer, ajuda imenso!

Se quiserem ir mais além de apenas cozinhar alguma coisa, quando forem visitar podem perguntar se a mãe precisa de algo feito na casa. Lavar ou passar roupa, limpar as casas de banho ou até mesmo ir ao supermercado comprar qualquer coisa... fazer algo, mesmo que vos pareça insignificante, pode aliviar o stress e a carga da mãe.

É muito bom receber visitas pois a certa altura cuidar do bebé pode ser muito solitário... mas é preciso ter essas coisas em consideração.


Editorial: Como já tinha mencionado antes, o Reino não é nada sem os seus súbditos e várias súbditas disseram-me que devia incluir duas coisas a este post. A primeira é que as visitas deviam ligar antes de ir visitar e a segunda que deviam visitar a horas decentes.
Agora a minha explicação é que eu pensava que ambos eram senso comum e que estava um bocado implícito mas afinal não, LoL. As minhas queridas e santas súbditas tiveram visitas surpresas quando queriam era descansar e/ou pessoal a aparecer às 10 da noite que depois de ter estado a cuidar de um bebé o dia todo, é a altura de ir descandar! É nestas alturas em que estar longe tem as suas vantagens, LoL.

8 comentários:

Cisne disse...

Boa! Acabo de ter uma amiga recém-mamã e isso ajudou imenso, obrigada!!

Denise disse...

Achei este post mesmo interessante.

Há cerca de um mês nasceu um bebé de um primo meu e, ainda nem tinham passado 10 dias, e a minha mãe já queria ir lá fazer uma visita. Eu achei que era muito cedo, que o bebé ainda era muito pequenino e os primeiros dias são sempre para os avós. Consegui convencê-la a esperarmos mais tempo, também para não aparecer lá e já estarem imensas pessoas. Os pais devem estar cansados e não devem querer tanta gente ao mesmo tempo.

Fico a aguardar que fales sobre os presentes.
O ano passado tive de comprar uma prendinha para oferecer num batizado e uma amiga disse-me que geralmente as pessoas têm tendência a oferecer sempre roupa e depois os pais acabam por acumular imensa roupa que o bebé não chega a usar. Imagino que haja outras coisas úteis que dariam mais jeito aos pais.
Acabei por comprar um brinquedo (que os pais disseram que o bebé adorou e não o largava!) e uma pecinha de roupa.

Beijinhos

i. disse...

Percebo muito bem o que queres dizer. Se há coisa que detesto é que me "forcem" a visitar bebés quando estou doente... E já tive as próprias mães a insistirem comigo. Como dizer que não às mães, se a minha justificação é para o bem dos seus filhos?

Andreia Morais disse...

É uma altura, acredito, fantástica, mas igualmente delicada, por todas as mudanças que implica. Por isso, se as visitas poderem facilitar um pouco o processo é muito melhor :)

Cynthia disse...

Na mouche! Toda a gente devia ler este post, é tão isso...

nat. disse...

Bem, eu visito os bebés depois de nascerem... praí 1 mês ou 2 depois...
Quanto a prendinhas... qualquer coisa muito simbólica! ou algo que tenha falado com os pais... desde uma cadeirinha de papa, até pacotes de fraldas...
se não houver nada de que precisem no momento fica para depois... não sou muito do "dar só porque fica bem na fotografia"...
Mas isso sou eu... muito mau feitio... 😊
Beijinhos, boa semana!

Titica Deia disse...

Foi um dos bons conselhos que a enfermeira me deu...

Querem visitar? Óptimo, que te tragam comida, e se demorarem que te passem a roupa...

Na pratica não foi bem assim, então cortei nas visitas...

Beijinhos
https://titicadeia.blogspot.pt/

A Pimenta* disse...

Este tema dá pano para mangas. Na minha primeira experiência como mãe, lembro-me perfeitamente que cheguei da maternidade a casa numa sexta feira e nesse fim de semana foi um festival de visitas. A S. tinha dias apenas. E a coisa repetiu-se nos fins de semana seguintes. Sempre a campainha a tocar, eu queria descansar e não havia maneira das pessoas pararem de visitar (ou então visitarem rápido!!!) o novo bebé.
Foi das coisas que mais me custou. Não conseguia dizer que não, mas sentia-me cansada de tanta visita e de tanta alteração na minha vida.

Agora, não sei como vai ser. Mas aprendi da primeira vez e desta vez, não haverá lanchinhos nem afins. Isso prolonga ainda mais as visitas que ficam 2, 3 horas e acumulam-se com outras que entretanto também chegam. As pessoas ainda são muito pouco sensíveis a isso. Tive pessoas que vieram à noite cá a casa ver a S. e ficaram cá até às 11 e tal da noite. E nós, a cair de sono!